21:12 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Habitantes da Grande Noida, no estado indiano de Uttar Pradesh, protestam contra a morte do menino Manish Khari

    Polícia investigará ataque contra estudantes africanos na Índia

    © AFP 2017/
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 18821

    O ministro-chefe do estado indiano de Uttar Pradesh, Yogi Adityanath, pediu a abertura de uma investigação sobre o ataque contra cidadãos nigerianos em um shopping nos subúrbios de Nova Deli.

    O incidente ocorreu na cidade de Grande Noida, quando um protesto da população local acabou tomando contornos violentos, e um grupo de estudantes africanos, principalmente da Nigéria, que estava fazendo compras nas lojas, foi vítima de ataques. Adityanath decidiu investigar o caso em detalhes após um pedido direto da ministra das Relações Exteriores, Sushma Swaraj, que afirmou em seu Twitter que o ministro-chefe prometeu "uma investigação justa e imparcial desse triste incidente". 

    "Os pais e outros 300 habitantes realizaram uma marcha contra a morte de um menino, Manish Khari, que foi supostamente drogado por estudantes nigerianos. Quando a marcha chegou ao shopping Ansal, onde alguns estudantes africanos estavam fazendo compras, a multidão ficou violenta e atacou os cidadãos nigerianos. Eles também atacaram vários veículos naquela área", explicou o superintendente da polícia, Dharmendra Singh, em declarações à mídia indiana. 

    Até o momento, cinco pessoas já foram detidas por ligações com o ataque. 

    "Nós já identificamos nove pessoas no ataque e prendemos cinco. Em breve, prenderemos o resto dos criminosos e tomaremos uma ação contra eles", completou Singh. 

    Mais:

    Quase 20 mil crianças traficadas na Índia em 2016
    Mulher mais obesa do mundo é transportada para cirurgia na Índia (VÍDEO)
    Paquistão pronto para investigar com a Índia ataques terroristas
    Tags:
    Ansal, Dharmendra Singh, Manish Khari, Sushma Swaraj, Nova Deli, Grande Noida, Nigéria, África, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik