09:58 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Mísseis Spike de fabricação israelense

    Índia procura acordo de transferência de tecnologia militar com Israel

    © AFP 2017/ JUNG YEON-JE
    Ásia e Oceania
    URL curta
    283143

    A Índia está disposta a assinar acordos de defesa de vários bilhões de dólares com Israel durante a visita do primeiro-ministro Narendra Modi, prevista para meados de 2017. Os contratos serão para mísseis antitanque, drones e outros equipamentos de defesa.

    A compra, que estava suspensa, de centenas de mísseis guiados antitanque Spike deverá ganhar uma nova vida do Comitê de Segurança do Gabinete com o primeiro-ministro Modi de acordo com o plano de compras de 1 bilhão de dólares (cerca de 3,12 bilhões de reais) nos próximos dias.

    A Sputnik havia relatado no mês passado que a Índia vai avançar com a compra de mísseis Spike, apesar da situação de proposta única. A política de compras de defesa da Índia não permite compras em que apenas uma empresa é elegível para concurso. Mas o governo indiano está interessado em assinar o contrato com a empresa israelense Rafael Advanced Defense Systems, uma vez que ela concordou em transferir tecnologia do míssil de acordo com o projeto Make in India, enquanto o contrato pode ser assinado para a construção de 1.500 sistemas e cerca de 30.000 mísseis adicionais na Índia. Em maio de 2016, a Índia finalizou as negociações de preços para 275 lançadores e 5.500 mísseis Spike em forma completa e em kit.

    O governo indiano também está considerando uma proposta para comprar drones de combate Heron TP feitos por Israel. A Índia pode aprovar a compra se Israel concordar em transferir tecnologia para a Índia sob o projeto Make in India. A Israel Aerospace Industries (IAI) havia anunciado uma nova versão de exportação do Heron TP em 9 de fevereiro de 2017. Fontes disseram que a IAI mudou a capacidade do Heron TP para países que são membros do regime de controle de tecnologia de mísseis (MTCR, sigla em inglês). A versão de exportação do Heron TP pode transportar uma carga útil de 450 kg. A Índia se tornou o 35º membro do MTCR em junho passado.

    "A demanda indiana por transferência de tecnologia é muito importante e está de acordo com o projeto Make in India. Nossa experiência passada em transferência de tecnologia por vários fabricantes não tem sido boa. A maioria deles não querem que a Índia se torne independente. Precisamos de ajuda estrangeira em tecnologias críticas como os VANT. Precisaremos de empresas específicas conjuntas com empresas estrangeiras ", disse Anil Chopra, marechal-do-ar aposentado.

    Atualmente, mais de 200 drones, principalmente os Heron de Israel e os Nishant produzidos localmente, estão em serviço das forças armadas indianas. Anteriormente, as forças armadas indianas esperavam que uma versão de combate local de drones de fabrico doméstico fosse introduzida, mas a Organização de Pesquisa de Defesa e Desenvolvimento anunciou recentemente que o Rustom 2 não será um drone de combate. Os cientistas indianos ainda não conseguiram integrar um míssil na série de drones Rustom.

    A Índia comprou recentemente alguns milhares de mísseis guiados antitanque e componentes críticos de tanques para aumentar as armas de emergência dos militares indianos.

    Mais:

    Como contratos para venda de armas vão impulsionar laços entre Índia e Rússia
    Índia acaba de construir um túnel de vento hipersônico
    Tags:
    drone, defesa antimísseis, defesa, Spike SR, Heron TP, Narendra Modi, Israel, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik