00:14 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados do Exército de Libertação Popular da China

    China reduzirá efetivos do exército

    © AFP 2019 / PETER PARKS
    Ásia e Oceania
    URL curta
    542
    Nos siga no

    China planeja reduzir número do corpo do Exército de Libertação Popular (ELP) em 200 mil pessoas, escreve South China Morning Post, citando fontes militares.

    Mais cedo, o presidente da República Popular da China declarou que as forças armadas do país serão reduzidas em 300 mil pessoas até o fim de 2017, mas não se trata do corpo de guerra. Apesar disso, Exército de Libertação Popular continua, mesmo assim, sendo o maior exército do mundo.

    Segundo fontes do jornal, a redução será realizada de acordo com o plano declarado pelo líder chinês, Xi Jinping. Entretanto, nota-se que uma parte dos transferidos poderá ser dirigida para as Forças de Mísseis, Marinha ou Força Aérea para efetuar o serviço. 

    "É possível que uma parte do pessoal militar vá se tornar soldados da infantaria ou paraquedistas", o jornal cita as palavras de uma fonte.

    Ao mesmo tempo, outra fonte informou que a redução do exército está enfrentando descontentamento sério dentro das forças armadas.

    Anteriormente, tinha sido informado ao South China Morning Post que a China planeja aumentar o número de militares da infantaria da Marinha em até 100 mil para que protejam as comunicações navais vitais e interesses crescentes do país no exterior.

    Segundo fontes militares, duas brigadas das tropas em serviço já têm sido dirigidas para a Marinha, duplicando seus efetivos.

    Mais:

    China retaliará se Japão enviar Izumo para o mar do Sul da China
    Taiwan denuncia maior ameaça militar da China
    Tensões a mil: China se opõe ao Japão pela mobilização de navios no mar do Sul da China
    Opinião: drones ajudarão China a realizar operações militares no Pacífico
    Tags:
    infantaria, tropas, redução, militares, Exército da China, corpo, efetivo, Força Aérea chinesa, Marinha chinesa, Exército Popular de Libertação, Xi Jinping, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar