18:15 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados das Forças dos Estados Unidos na Coreia (USFK) demonstram equipamento na base militar de Yongsan, em Seul. (Arquivo)

    Opinião: EUA e Coreia do Sul "ensaiam" o assassinato do líder norte-coreano

    © AFP 2019 / CHOI JAE-KU
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Crise nuclear das Coreias (56)
    17513
    Nos siga no

    Nesta segunda-feira, a Coreia do Sul e os EUA deram início aos exercícios militares conjuntos "Key Resolve", tendo como o pano de fundo a escalada das tensões com a Coreia do Norte.

    Em Entrevista à Sputnik, o especialista da Universidade de Xangai de Comércio Exterior, Zhan Debin, destacou que as manobras militares são uma forma de intimidar Pyongyang.

    "Os exercícios conjuntos dos EUA com a Coreia do Sul são uma medida para intimidar a Coreia do Norte. Coreia do Norte tem realizado com certo sucesso os lançamentos de mísseis balísticos e está desenvolvendo tecnologias nucleares. Portanto fica claro que as sanções norte-americanas e da ONU não são capazes de impedir a Coreia do Norte", ponderou o acadêmico chinês.

    Dessas forma, segundo ele, "a Coreia do Sul e os EUA tentam demonstrar que o desenvolvimento do programa nuclear, em vez de garantir a segurança do regime norte-coreano, será uma ameaça à sua existência".

    "Durante os exercícios, os EUA e a Coreia do Sul estão treinando operações para eliminação física (de Kim Jong-un) e para destruição de instalações nucleares. Eles querem mostrar ao Kim Jong-un que, se as sanções não tiverem resultados, medidas extremas serão tomadas, com objetivo de impedir as ambições nucleares da Coreia do Norte", explicou Zhan Debin.

    "Os exercícios, desse modo, são uma demonstração e uma ameaça, tanto no plano militar, quanto no psicológico. Isso pode, por um lado, acelerar o desenvolvimento de tecnologias nucleares na Coreia do Norte, mas por outro, os EUA e a Coreia do Sul querem intimidar pessoalmente o Kim Jong-un", avaliou o especialista.

    "Nessas condições, a China deve continuar a empreender esforços para que a questão nuclear norte-coreana seja resolvida por via de negociações. Porque, na verdade, o problema não pode ser solucionado por via militar. A escalada das tensões militares não é boa nem para a península Coreana, nem para a região, e não atende, de forma alguma, aos interesses da Coreia do Sul", concluiu o interlocutor da agência Sputnik.

    Tema:
    Crise nuclear das Coreias (56)

    Mais:

    EUA, Japão e Coreia do Sul iniciam exercícios para detectar mísseis norte-coreanos
    Coreia do Norte pede que ONU realize conferência jurídica sobre sanções contra Pyongyang
    'Coreia do Norte continuará teste nuclear se EUA persistirem em exercícios na fronteira'
    EUA deslocam esquadrão de drones de combate para a Coreia do Sul
    Alta tensão: Seul declara alerta máximo devido a possíveis provocações da Coreia do Norte
    Tags:
    mísseis balísticos, ameaça nuclear, opinião, exercício militar, assassinato, programa nuclear, sanções, Zhan Debin, Kim Jong-un, Coreia do Sul, Coreia do Norte, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar