14:33 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    A bandeira da China

    China agora usa material didático que explica sobre divórcio, homossexualidade e abuso

    © AP Photo / Mark Schiefelbein
    Ásia e Oceania
    URL curta
    855
    Nos siga no

    A China introduziu um programa progressista e inovador de educação sexual para alunos da escola primária. Alguns pais conservadores têm preocupações sobre o conteúdo do currículo.

    Uma unidade das novas aula enfatiza a igualdade de gênero para os alunos da segunda série, incentivando-os a serem o que eles querem na vida. Os materiais mostram que os homens podem ser professores e enfermeiros e as mulheres podem ser astronautas e policiais.

    Ao discutir o toque impróprio, os alunos são informados de que pode vir tanto de parentes como de estranhos, que homens e mulheres podem ser predadores sexuais e que, se forem tocados inapropriadamente, devem imediatamente contar a seus pais.

    O livro, publicado pela Universidade Normal de Pequim, também explica as relações entre gays, lésbicas e bissexuais, dizendo aos alunos que as pessoas de todas as orientações sexuais merecem tratamento igual.

    Alunos também são ensinados que casais do mesmo sexo se casam e têm famílias (ainda que casamentos homossexuais sejam proibidos no país).

    Os alunos do quinto ano aprendem sobre o HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis e são convidados a lembrar que o uso de preservativos ajudará a reduzir o risco de exposição. Quando se trata de casamento, o plano observa que algumas pessoas permanecem solteiras, enquanto outros preferem um cônjuge, e que ambos os estilos de vida devem ser respeitados.

    Polêmica

    Após a liberação do currículo, a controvérsia começou depois que uma mãe em Hangzhou postou imagens dos materiais de ensino no Weibo (semelhante ao Twitter), perguntando se os livros didáticos eram falsos. Ela escreveu: "É razoável que um livro seja compilado assim? Eu mesmo coro só de olhar".

    Alguns usuários concordaram, descrevendo o conteúdo "explícito" como "insípido" e "vulgar". Yibada citou uma pessoa reclamando que "A foto mostrando o processo de acasalamento de homens e mulheres é absolutamente inaceitável!"

    Outros usuários achavam que o plano de aula seria bom para os alunos, escrevendo que "dar aos nossos filhos mais conhecimento sobre sexo os ajudará a se proteger melhor no futuro". Enquanto outro declarou: "Finalmente, a educação sexual na China tem alcançado o resto do mundo!"

    Um médico elogiou o currículo e sua postagem se tornou viral depois que ele escreveu: "Anúncios de aborto estão agora em toda parte, e se os adultos estão dizendo agora que esses livros foram longe demais, só pode ser dito que sua própria educação sexual tem sido um grande fracasso" Acrescentando: "A educação sexual protege as crianças do abuso sexual, e só pode ser eficaz se nós vamos direto ao ponto e não esconder nada".

    Grupos LGBT na China também elogiaram o livro.

    Mais:

    Rio de Janeiro ganha prêmio de melhor destino de praia LGBT da América Latina
    Professor da 'Cura Gay' investigado pelo MP vira alvo de memes da comunidade LGBT
    Tags:
    Weibo, Universidade Normal de Pequim, Hangzhou, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar