02:41 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Submarino chinês

    Marinha da Índia aprende como combater submarinos chineses

    © AP Photo / Guang Niu
    Ásia e Oceania
    URL curta
    795
    Nos siga no

    A cada ano a Índia realiza seus exercícios militares de grande escala TROPEX. Dos exercícios de 30 dias, que começaram em 24 de janeiro de 2017, participam cerca de 50 navios e submarinos, mais de 70 aeronaves da Marinha indiana, bem como da Força Aérea e da guarda costeira.

    As manobras são destinadas, em particular, ao treinamento da luta antissubmarino nas atuais condições mais difíceis. Os indianos tencionam aumentar significativamente as capacidades da sua força antissubmarino devido à crescente atividade dos submarinos nucleares chineses no oceano Índico, considera Vasily Kashin, analista militar russo.

    "A experiência, o nível de prontidão de combate e o nível técnico da frota submarina chinesa está crescendo ativamente desde 2000. Atualmente, os submarinos da China realizam missões com duração de até 100 dias. A presença da frota submarina chinesa no oceano Índico pode se tornar permanente", explica Kashin.

    O oceano Índico tem uma importância vital para a China, porque é por lá que passam as vias de comunicação marítimas que abastecem a economia chinesa. Por isso, a presença militar da China só vai aumentar. Estas vias de comunicação estratégicas são apenas um dos motivos para escalada do conflito marítimo entre a China e Índia.

    Os submarinos nucleares chineses provavelmente irão patrulhar o mar do Sul da China, enquanto a frota indiana de submarinos nucleares permanecerá nas áreas do oceano Índico, esclareceu o analista militar.

    "A crescente atividade da frota submarina chinesa provoca preocupações sérias aos indianos. Por causa disso, a Índia presta muita atenção à modernização e aperfeiçoamento de seus meios de guerra antissubmarino. Em particular, foi feita uma modernização profunda, com ajuda da Rússia, dos aviões antissubmarino russos Il-38 e foram adquiridos aviões de patrulha americanos P-8 Poseidon", disse Kashin.

    Nos treinamentos TROPEX-2017, a marinha indiana está treinando operações de busca e vigilância de submarinos inimigos. O papel de inimigo convencional será desempenhado pelo submarino nuclear de fabricação russa Chakra, do projeto 971-U, que supera qualquer submarino nuclear chinês. Se a marinha indiana aprender a combater este inimigo perigoso, as suas chances de conseguir vigilar submarinos chineses aumentarão significativamente.

    De acordo com Vasily Kashin, entre a Índia e China surgem esferas potencialmente perigosas de competição militar, que antes apenas existiam entre grandes potências como a Rússia e os EUA. Algumas das crises envolviam as respectivas frotas submarinas.

    "A Índia e a China estão desenvolvendo suas capacidades militares, que antes tiveram apenas as superpotências nucleares. Ambos os países querem, como resultado, criar tríades nucleares plenas, construir sistemas de defesa antimíssil e submarinos nucleares poderosos", destaca Kashin em uma entrevista à Sputnik China.

    Por isso, sublinha ele, é muito importante para a comunidade internacional que a Índia e a China tenham contatos estreitos na área militar, contatos que estejam protegidos das mudanças nas relações intergovernamentais. As partes devem compartilhar dados e informações sobre suas atividades para resolver situações críticas ou possíveis incidentes.

    Mais:

    'Base da nova ordem mundial serão China, Índia, Rússia e EUA'
    Índia pede 'luz verde' à China para aderir ao Grupo de Fornecedores Nucleares
    EUA e Índia assinam acordo de cooperação logística militar para fazer frente à China
    Tags:
    segurança marítima, conflito regional, submarino nuclear, Mar do Sul da China, China, Oceano Índico, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar