02:45 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Secretário de Defesa dos EUA, general James Mattis

    Novo chefe do Pentágono parte em missão estratégica à Coreia do Sul e ao Japão

    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Ásia e Oceania
    URL curta
    333
    Nos siga no

    O novo chefe do Pentágono, James Mattis, partiu hoje (1) em viagem à Coreia do Sul e ao Japão, onde procurará tranquilizar os aliados estratégicos dos EUA em relação aos compromissos de segurança norte-americanos na região.

    A visita do secretário de Defesa marca a primeira viagem ao exterior de um alto funcionário do governo do presidente Donald Trump, que sugeriu durante a campanha eleitoral que o papel dos EUA no Nordeste Asiático poderia mudar.

    "A viagem vai ressaltar o compromisso dos Estados Unidos com nossas alianças duradouras com o Japão e a República da Coreia e fortalecer ainda mais a cooperação de segurança EUA-Japão-República da Coreia", disse o Pentágono em comunicado nesta quarta-feira.

    Durante sua campanha, Trump levantou a possibilidade do Japão e da Coreia do Sul se armarem com arsenais nucleares, e acusou Seul de não pagar sua parte justa pelos cerca de 28.500 soldados norte-americanos estacionados na península coreana.

    A visita de Mattis ocorre em meio a preocupações crescentes em relação às ambições nucleares da Coreia do Norte e a uma disputa entre Tóquio e Seul sobre o uso de escravos sexuais durante a Segunda Guerra Mundial.

    De acordo com o Ministério da Defesa da Coreia do Sul, o chefe da pasta, Han Min-Koo, e sua nova contraparte norte-americana prometeram na terça-feira (31) avançar com um plano para implantar um sistema antimíssil dos EUA no país ainda este ano, apesar dos protestos da China.

    Os dois aliados anunciaram no ano passado o plano de implantar o sistema de Defesa Terminal de Área de Alta Altitude (THAAD), após uma série de testes atômicos e de mísseis realizados pela Coreia do Norte.

    Os planos para a implantação do THAAD enfureceu a China, que impôs uma série de medidas vistas por Seul como retaliação econômica.

    Mattis começará sua viagem na Coreia do Sul, onde se reunirá com Han e outros altos funcionários.

    Na sexta-feira (3), Mattis viaja a Tóquio para reuniões com o ministro da Defesa, Tomomi Inada, e outras autoridades, segundo disse o Pentágono.

    Além das questões de defesa, os dois países asiáticos estão engajados em uma disputa diplomática sobre o uso de "mulheres de conforto" durante a guerra.

    Historiadores dizem que até 200 mil mulheres — principalmente da então colônia japonesa da Coreia, mas também de outras partes da Ásia, incluindo a China — foram forçadas a trabalhar em bordéis militares japoneses durante a Segunda Guerra Mundial.

    Mais:

    Japão carrega nos ombros mais de 80% das despesas com presença militar norte-americana
    Representantes dos EUA e Japão abordam questão de segurança nacional
    Coreia do Sul, Japão e EUA treinam juntos para se defender de mísseis norte-coreanos
    Coreia do Sul: Pyongyang não realizará testes de míssil balístico por não tê-lo
    Coreia do Norte reinicia reator de produção de plutônio
    Tags:
    defesa, soldados, aliados, armas nucleares, mísseis, cooperação, programa nuclear, THAAD, James Mattis, Donald Trump, Ásia, Coreia do Sul, Coreia do Norte, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar