02:47 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Míssil balístico da Coreia do Norte

    Coreia do Norte desloca 2 mísseis balísticos para perto de Pyongyang

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    24447

    A Coreia do Norte deslocou dois mísseis balísticos novos para o norte da sua capital, Pyongyang, informou canal de televisão japonês NHK, citando uma fonte militar sul-coreana.

    Segundo dados da fonte, citados pelo NHK, esses mísseis podem ser equipados com motores modernizados e estão prontos para lançamento em qualquer momento.

    Mais cedo, satélites americanos e sul-coreanos registraram dois lançadores de foguetes móveis. Foi avançado que Pyongyang poderia realizar um novo lançamento de teste fazendo-o coincidir com a tomada de posse do presidente dos EUA, Donald Trump.

    Entretanto, já no 1° de janeiro, na mensagem de Ano Novo à nação, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un declarou abertamente que seu país atingiu a fase final de desenvolvimento de mísseis balísticos intercontinentais.

    Conforme dados da agência sul-coreana Yonhap, Pyongyang está construindo mísseis KN-08 com alcance de 13.000 quilômetros, baseados em lançadores de foguetes. Apontando para a ameaça estadunidense, a Coreia do Norte recusa parar as elaborações nucleares e de mísseis, apesar das sanções por parte do Conselho da Segurança da ONU.

    Mais:

    Coreia do Norte prepara-se para testar novos mísseis em 'recado' a Trump
    'Coreia do Sul não faz ideia de como é coordenado exército norte-coreano'
    EUA expandem lista negra de sanções contra a Coreia do Norte
    Coreia do Norte está pronta para lançar mísseis balísticos a qualquer hora
    Seul: Coreia do Norte não tem capacidade para produzir míssil intercontinental
    Tags:
    sanções, construção, ameaça militar, lançamento, lançador de mísseis, deslocamento, míssil balístico intercontinental, Conselho de Segurança da ONU, Yonhap, NHK, Donald Trump, Kim Jong-un, Coreia do Sul, EUA, Pyongyang, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik