15:58 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1140
    Nos siga no

    Na segunda-feira (9), a China colocou satélites em órbita por meio do veículo lançador comercial Kuaizhou-1A a combustível sólido, informou a agência Xinhua.

    O lançamento foi realizado às 12h11 (01h11, horário do Brasil) do cosmódromo no Deserto de Gobi. O veículo lançador colocou em órbita três satélites: JL-1, CubeSats XY-S1 e Caton-1.

    O satélite JL-1 é um engenho polivalente capaz de passar para a Terra vídeos de alta definição. Pode ser usado na ciência geodésica, em particular. Os dois outros satélites – CubeSats XY-S1 e Caton-1 – são aparelhos experimentais para testar em órbita baixa da Terra uma rede de comunicações de banda estreita e troca de dados em alta frequência. A entidade responsável pelo lançamento foi a empresa aeroespacial chinesa CASIC (China Aerospace Science & Industry Corporation).

    Mais cedo, destacava-se que a família de foguetes Kuaizhou-1 é destinada a colocar satélites com o peso menos de 300 kg em órbitas baixas.

    Nos meados de setembro destacou-se que a China planeja construir o primeiro cosmódromo para uso comercial na cidade de Wuhan, na província chinesa de Hubei. Segundo a CASIC, até 2020, o número de veículos lançadores deve atingir 50 unidades e de satélites comerciais – 140.

    Mais cedo, tornou-se público que em 2017 a China começaria a realizar lançamentos comerciais do novo veículo lançador Kuaizhou-11, destinado para clientes chineses e internacionais. No total, a CASIC planeja construir 10 veículos lançadores destinados a colocar em órbita satélites pequenos em órbitas baixas.

    Mais:

    Será que China elaborou novo tanque leve secreto? (FOTOS)
    China lança novo satélite de telecomunicações
    Explosão em mina de carvão mata cinco na China
    China investirá US$ 360 bilhões em energias renováveis
    Névoa fecha aeroportos e bloqueia estradas na China
    Tags:
    foguete, órbita, lançamento, satélite, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar