09:14 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    China espera que a Nova Rota da Seda derrube barreiras comerciais e de investimento

    China convida países da África para participarem da criação da nova Rota da Seda

    © flickr.com/ Trey Ratcliff
    Ásia e Oceania
    URL curta
    13130
    Nos siga no

    O chanceler chinês, Wang Yi, convidou países africanos para fazerem parte da estratégia de desenvolvimento econômico "um cinto, um caminho".

    Entre 7 e 12 de janeiro, Wang Yi realiza uma série de visitas oficiais a Madagascar, Zâmbia, Tanzânia, Congo e Nigéria.

    De acordo com o chanceler, historicamente, os países da África fazem parte do Cinturão Econômico da Rota da Seda, além de estarem localizados em importante região para realização de viagens com destino ao Ocidente no âmbito desta via comercial.

    "Se houver país africano interessado em participar da nova Rota da Seda, saudaremos isso", acrescentou Wang Yi.

    Djibouti
    © Foto / wikipedia.org/NASA
    Ao mesmo tempo, o chanceler da China ressaltou que o país já tem realizado consultas a esse respeito com muitos países da África, especialmente com aqueles situados na costa oriental africana, e alcançaram progressos significativos.

    O chefe da diplomacia chinesa expressou esperança de que os países da África recebam cada vez mais oportunidades de desenvolvimento.

    Em 2013, a China anunciou sua nova estratégia chamada "um cinto, um caminho". A iniciativa que visa construir infraestrutura e ajustar laços com os países da Eurásia abrange dois principais sentidos de desenvolvimento: o Cinturão Econômico da Rota da Seda e a Rota da Seda Marítima. O objetivo é criar um corredor comercial para fornecimento direto de produtos do Oriente para Ocidente.

    Mais:

    China investirá US$ 360 bilhões em energias renováveis
    Jornalistas russos e chineses desbravarão a Rota da Seda
    Tags:
    fornecimento, produtos, infraestrutura, rota da seda, Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Yi, Madagascar, Oriente, Ocidente, Nigéria, Congo, Tanzânia, Zâmbia, África, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar