03:18 24 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Banhistas passam por escultura de areia com mensagem de orações pelo voo perdido da Malaysian Airlines MH370

    Investigadores recomendam ampliar a busca de avião da Malaysia Airlines

    © AFP 2019 / Asit Kumar
    Ásia e Oceania
    URL curta
    513

    O vôo MH370 desapareceu em março de 2014 com 239 passageiros e tripulantes a bordo a caminho da capital malásia, Kuala Lumpur. Seu paradeiro tornou-se um dos maiores mistérios da aviação do mundo.

    Investigadores que buscam o vôo MH370 da Malaysia Airlines, na Malásia, recomendaram ampliar a pesquisa em mais 25 mil km², informou o Serviço Australiano de Segurança no Transporte (ATSB).

    A atual área de busca de 120 mil km² no Oceano Índico deve ser esgotada em janeiro, sem sinal do avião.

    A recomendação de estender a pesquisa segue uma reunião em novembro entre investigadores de acidentes, especialistas em aviação e representantes do governo da Malásia, China e Austrália.

    "Há um alto grau de confiança de que a área investigada até o momento não contém a aeronave desaparecida. Dada a exclusão desta área, os especialistas identificaram uma área de aproximadamente 25.000 km² como a com maior probabilidade de conter os destroços da aeronave", diz o relatório do ATSB.

    A nova área está ao norte da atual zona de busca, que já consumiu US$145 mi (cerca de R$487,2 mi) até agora. Esta será a segunda ampliação da área procurada, caso a sugestão seja aceita pelas autoridades locais desde a queda, em março de 2014. Destroços foram encontrados na costa africana, mas nenhum corpo foi recuperado.

    Mais:

    Possíveis destroços do MH370 são encontrados no sul da África
    Parentes das vítimas do voo MH370 pedem análise “imparcial” sobre destroços de avião
    Malásia confirma que destroços encontrados são do voo MH370
    Encontrado mais um destroço do voo MH370
    Tags:
    MH370, ATSB, Serviço Australiano de Segurança no Transporte, Malaysia Airlines, Oceano Índico, Malásia, Austrália, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar