15:22 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeiras nacionais dos EUA e da China

    Bom amigo do presidente chinês aceita ser embaixador dos EUA na China

    © AP Photo / Andy Wong
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 41

    O governador do Estado de Iowa, EUA, Terry Branstad, aceitou a proposta do presidente-eleito Donald Trump de se tornar embaixador norte-americano na China.

    O anúncio foi feito por três fontes anônimas à agência Blomberg, na quarta-feira (07), que se referiu ao governador como "amigo antigo do presidente chinês Xi Jinping".

    O próprio Branstad não comentou a nomeação e apenas informou "estar orgulhoso por ter apoiado Donald Trump na disputa à presidência".

    A proposta foi feita na sede de Donald Trump, no arranha-céus Trump Tower em Nova York. Segundo foi informado, logo após a vitória de Trump nas eleições, Branstad iniciou os preparativos para missão de uma semana à China.

    Destaca-se que o governador de Iowa conhece Xi Jinping pessoalmente. Eles se encontraram pela primeira vez em 1985, quando Xi Jinping visitou o Estado de Iowa como chefe de uma delegação. Naquele momento, a província de Hebei e o Estado de Iowa já mantinham laços fraternos há três anos.

    Em fevereiro de 2012, quando era vice-presidente da China, Xi Jinping visitou novamente a cidade de Muscatine no Estado de Iowa e se encontrou com seus antigos amigos, quem ele conheceu 27 anos atrás.

    Já em 16 de março de 2013, dois dias após a eleição de Xi Jinping à presidência da China, Branstad manifestou a esperança que a chegada de Xi Jinping ao poder promoveria as relações entre os EUA e a China.

    O governador ficou imensamente impressionado com as mudanças da China, ao visitar o país em 2012:

    "A China se transformou como país. Nela apareceu um grande número de prédios altos, trens de alta velocidade e automóveis. O nível da vida da população aumentou consideravelmente", destacou Branstad durante sua visita.

    Hoje em dia, a China é o segundo maior mercado de exportações para Iowa após o Canadá. Em 2015, o estado exportou para a China o volume de produtos equivalente a 2,3 bilhões de dólares e um pacote de serviços no valor de 273 milhões de dólares. Equipamentos agrícolas e produtos químicos foram vendidos à China em grandes quantidades. Tradicionalmente, o Estado de Iowa tem sido chamado capital alimentar do mundo, fator que define o interesse da China em relação ao estado.

    Em entrevista à Sputnik China, Aleksandr Larin, especialista em questões do Extremo Oriente da Academia de Ciências da Rússia, comentou a nomeação de Branstad:

    "O anúncio sobre a possível nomeação indica que Trump atribui uma enorme importância às relações entre os EUA e a China", destacou Larin.

    Segundo ele, a nomeação do embaixador "não é um passo a curto prazo".

    "O embaixador assumirá suas funções por muito tempo. Ele terá que participar da formação das relações entre os EUA e a China", assinala o especialista.

    Ao mesmo tempo, Larin ressalta que "uma coisa é fazer promessas pré-eleitorais, outra, é a política real".

    Liu Jianyong, especialista chinês do Instituto de relações internacionais, acredita que Trump, na qualidade de presidente recém-eleito, que ainda não assumiu o cargo oficialmente, fez uma série de declarações inaceitáveis:

    "Isso atingiu os sentimentos do povo chinês, trata-se de um ambiente negativo para as relações entre China e EUA", destaca Jianyong.

    O especialista chinês conclui que, o relacionamento entre os dois países dará um novo impulso, caso Trump escolha assessores capazes de ajudá-lo a entender a China da melhor forma possível, inclusive os princípios básicos das relações bilaterais.

    Mais:

    Logo após vitória de Trump, China começa 'jogo delicado' para ultrapassar EUA na Ásia
    Especialistas: EUA continuarão contendo China durante nova administração
    Tags:
    arranha-céu, promessas, exportações, relações bilaterais, nomeação, embaixador, Academia de Ciências da Rússia, Donald Trump, Xi Jinping, Nova York, Iowa, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik