18:02 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Caça americano F-35 cumprindo missão

    Há razões para China ter medo do caça norte-americano F-35?

    CC BY 2.0 / Forsvarsdepartementet / Lockheed Martins F-35
    Ásia e Oceania
    URL curta
    354921
    Nos siga no

    A revista americana The National Interest publicou um artigo intitulado: "Rússia e China, preparem-se: os porta-aviões americanos terão caças furtivos".

    Segundo o artigo, com o aparecimento do primeiro caça invisível F-35, a frota terá uma flexibilidade ofensiva adicional.

    Vasily Kashin, especialista russo em questões militares, deu comentários à Sputnik China, revelando mais detalhes sobre o caça F-35:

    "Teoricamente, seu aparecimento deve desempenhar um papel importante na mudança do equilíbrio no Oceano Pacífico e aumentar as chances de pôr em prática a estratégia de combate aéreo e naval contra as forças do Exército de Libertação Popular da China na região", opina Kashin.

    Segundo o especialista, o F-35, por ser praticamente invisível e por ter alcance aumentado, "permitirá aos grupos de porta-aviões americanos realizar ataques contra centros de controle e de comunicações da China".

    Ao mesmo tempo, a China dispõe de mísseis balísticos antinavio, tais como DF-21D e DF-26D (a última tem um alcance de 4 mil quilômetros, superando o alcance do F-35C), além dos aviões de decolagem vertical F-35B, ressalta Kashin. No entanto, quanto maior for a distância dos porta-aviões americanos em relação à costa chinesa, mais dificuldade a China terá para detectá-los e monitorar suas movimentações.

    "Os grupos de porta-aviões chineses dificilmente poderão representar ameaça séria para os porta-aviões norte-americanos em um futuro previsível", destaca Kashin.

    O especialista aponta que o porta-aviões chinês Liaoning e outros dois em construção não serão capazes de levar a bordo mais de 25 caças J-15. Os chineses vão contar com uma combinação de mísseis balísticos anti-navio, submarinos e aviação de ataque costeira para identificar e destruir grupos de porta-aviões norte-americanos.

    "Provavelmente, é com esse objetivo que os chineses aumentam investimentos na elaboração de grandes drones estratégicos de reconhecimento, parecidos com os Global Hawk norte-americanos, e nos satélites de inteligência marítima", acha o especialista.

    Na opinião de Kashin, a ameaça aos grupos aéreos de ataque dos EUA com caças F-35 poderá provir de mísseis balísticos anti-navio, bombardeios de longo alcance H-6K com mísseis de cruzeiro pesados, bem como caças J-20 e mísseis supersônicos lançados a partir de submarinos chineses.

    "O caça F-35 deverá lidar com caças do inimigo que possuem radares fortes, com mísseis ar-ar de longo alcance que superam o F-35 pela quantidade de armas, velocidade, capacidade de realização de de manobras e alcance do voo", conclui o especialista russo.

    Mais:

    Será que Rússia, China e EUA podem se tornar os novos Três Grandes?
    China testa com sucesso míssil hipersônico que supera todos os similares dos EUA e da OTAN
    Tags:
    alcance, mísseis de cruzeiro, decolagem vertical, submarinos, porta-aviões, H-6K, Liaoning, F-35, J-20, Oceano Pacífico, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar