03:48 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Park Geun-hye, presidente da Coreia do Sul.

    Governo da Coreia do Sul explica pílulas de Viagra encontradas no gabinete presidencial

    © AP Photo / Mary Altaffer
    Ásia e Oceania
    URL curta
    232

    Um porta-voz afirmou que tratava-se de remédio "alternativo" para combate aos efeitos da altitude no organismo; episódio é mais um da crise de governabilidade no país asiático, que já levou a renúncias e demissões.

    O Governo da Coreia do Sul confirmou ter comprado 360 pílulas de viagra para a presidente do país, Park Geun-hye e para a equipe presidencial. Comprimidos do medicamento, usado majoritariamente para facilitar a ereção, foram encontrados no gabinete de Geun-hye. O governo, porém, disse que as pílulas foram adquiridas como tratamento alternativo ao mal-estar causado pela altitude em vôos.

    "Após viajar à América do Sul em abril, a comitiva presidencial se queixou de que as pílulas para o mal de altura quase não faziam efeito, por isso que fomos de novo aos médicos na busca de um remédio alternativo", explicou um porta-voz sul-coreano.

    O mesmo porta-voz disse que médicos receitaram as pílulas de viagra para a posterior viagem no final de maio à Etiópia, Uganda e Quênia, com capitais conhecidas pelo ar rarefeito e altitude. Porém, ainda de acordo com a fonte oficial, "as pílulas não foram usadas", já que nem a presidente e nem sua comitiva sofreram de mal de altura na ocasião.

    Crise causa renúncias

    O episódio do Viagra é só mais um em um cenário bizarro que há meses vem comprometendo a governabilidade de Park Geun-hye. O escândalo começou quando investigações provaram que a amiga da presidente Choi Soon-sil teria cometido tráfico de influência e ingerência em políticas de Estado, mesmo sem ocupar nenhum cargo público. O pano de fundo da história envolve conchavos e até acusações de bruxaria.

    Nesta quarta (23),  o secretário presidencial de assuntos civis, Choi Jai-kyeong e o titular da Justiça, Kim Hyun-woong apresentaram suas demissões após acusações da promotoria de que teriam atuado como cúmplices de Geun-hye e de Soon-sil.

    A presidente foi intimada ontem a depor à Promotoria do país. Os promotores também interrogaram o vice-presidente e herdeiro da Samsung Electronics, Lee Jae-yong, e outros diretores. A suspeita é de que o grupo teria desviado US$ 17,3 milhões para fundações operadas por Choi Soon-sil e US$ 2,9 milhões para uma empresa dela na Alemanha.

    Mais:

    Cabo do Corpo de Fuzileiros Navais da Coreia do Sul mata três companheiros e fere dois
    Kim Jong-un inspeciona centro militar criado para 'eliminar' líderes da Coreia do Sul
    Comandante dos EUA na Coreia do Sul define prazo para instalação do THAAD
    Washington: EUA vão além da instalação do THAAD na Coreia do Sul
    Coreia do Sul prepara forças especiais para possível guerra com Pyongyang
    Tags:
    Lee Jae-yong, Samsung, Choi Jai-kyeong, Kim Hyun-woong, Choi Soon-sil, Park Geun-hye, Uganda, Quênia, América do Sul, Etiópia, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar