15:27 18 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Protesto contra Najib Razak

    Protestos contra primeiro-ministro tomam as ruas da Malásia

    © AFP 2018/ Mohd Rasfan
    Ásia e Oceania
    URL curta
    201

    Denúncias contra Najib Razak dão conta de um desvio bilionário nas contas do governo; primeiro-ministro tem reprimido os protestos com prisões.

    Milhares de pessoas lotaram hoje as ruas de Kuala Lumpur, capital da Malásia, para pedir a deposição do primeiro-ministro do país, Najib Razak.

    O político está no centro de uma grande polêmica, depois que o Wall Street Journal revelou o desvio de US$700 milhões do fundo estatal 1Malaysia Development Berhad (1MDB) para a conta pessoal de Razak.

    O Departamento de Justiça dos Estados Unidos também acusa o roubo de mais de 3,5 bilhões de dólares do 1MDB e a transferência de parte destes fundos para a "Malaysian Official 1", que autoridades norte-americanas e malaias identificaram como sendo de Razak.

    Na tentativa de se manter no poder, o primeiro-ministro tem pesado a mão reprimindo atos oposicionistas. Onze ativistas foram presos ontem e pelo menos mais dois foram detidos no protesto. O vice-primeiro ministro Ahmad Zahid Hamidi disse que podem haver mais prisões nos próximos dias. 

    Maria Chin Abdullah, uma das organizadoras da manifestação, foi detida sob o Ato de Ofensas à Segurança, introduzido em 2012 para "proteger o país de ameaças à segurança e de extremistas".

    Mais:

    China não quer escalada do conflito com Malásia
    Indonésia vai patrulhar mar de Sulu junto com Malásia e Filipinas
    Malásia: piloto do MH370 desaparecido ensaiava queda do avião
    Malásia tem permissão para nova pesquisa dos fragmentos do Boeing 777
    Uma centena de navios chineses invade águas territoriais da Malásia
    Tags:
    Departamento de Justiça dos Estados Unidos, 1MDB, 1Malaysia Development Berhad, Malaysian Official 1, The Wall Street Journal, Ahmad Zahid Hamidi, Najib Razak, Estados Unidos, Kuala Lumpur, Malásia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik