21:38 18 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    860
    Nos siga no

    Recente terremoto na Nova Zelândia levou à formação de seis novas falhas na zona norte da Ilha do Sul, mudando completamente o "equilíbrio" das forças tectônicas nesta parte do arquipélago, disse o portal Live Science.

    "Parece que o terremoto elevou toda a costa norte da ilha, do cabo Campbell até os arredores da cidade de Kaikoura. As rochas da costa se moveram a uma distância significativa, cerca de um metro para cima e três metros para o lado. Esta costa da Nova Zelândia é estruturada de forma extremamente difícil e agora estamos desesperadamente tentando descobrir se o terremoto libertou todos os pontos de tensão ou se ele criou novas fontes potenciais", diz Nikola Litchfield, um geólogo da empresa GNS Science.

    Na segunda-feira de manhã, a Ilha do Sul foi palco de um dos terremotos mais poderosos da sua história, que teve uma magnitude de 7,8 na escala de MMS e causou centenas de novos tremores, tsunamis, deslizamentos de terra e uma série de outros cataclismos. Como resultado da tragédia, duas pessoas morreram e no norte da Ilha do Sul foi declarado estado de emergência relacionado com a destruição maciça de infraestrutura e entupimento de rios.

    Os efeitos deste terremoto, ao contrário do desastre no Nepal, em abril do ano passado, que teve uma magnitude e mecanismo de natividade parecidos, foram poucos já que, no Nepal, mais de sete mil pessoas morreram e cerca de 6 mil nepaleses ficaram gravemente feridos.

    Litchfield e vários outros geólogos sobrevoaram a ilha de helicóptero tentando avaliar a escala dos danos e descobrir como mudou a situação geológica no interior da Terra. Com a ajuda de fotos tiradas a uma grande altura da ponta norte da ilha, os pesquisadores compararam imagens de antes e depois do terremoto que atingiu a Ilha do Sul.

    Verificou-se que esta série de abalos mudou fundamentalmente a estrutura do interior da Terra nesta parte da ilha. De acordo com Litchfield, a ilha parecia desfigurada com seis novas "cicatrizes" — grandes falhas, quatro se deslocam para o mar e duas estão sobre a terra.

    Em todas essas falhas, camadas de rochas se deslocaram em relação uma à outra por muitos centímetros, tanto para cima, quanto para baixo e também para os lados, mudando significativamente a forma de como as antigas "cicatrizes" tectônicas pressionavam umas contra as outras. Agora, os cientistas estão explorando ativamente as novas falhas, tentando descobrir onde e quando o próximo terremoto pode ocorrer.

    Terremoto na Nova Zelândia em novembro de 2016
    © REUTERS / Anthony Phelps
    Terremoto na Nova Zelândia em novembro de 2016

    Os geólogos estão planejando realizar uma expedição no mar perto da costa da Ilha do Sul, onde tencionam iluminar o fundo do Oceano Pacífico com a ajuda de sonares. Os dados, que os cientistas esperam coletar, ajudarão a compreender o quão longe no mar seguem as quatro novas falhas e como elas afetam o "equilíbrio de forças" da quebra de Marlborough, localizada no centro da Nova Zelândia.

    A quebra de Marlborough é um dos sistemas tectônicos mais complicados da Terra, onde as quatro grandes falhas são conectadas, ao longo das quais movem as placas tectônicas da Austrália e do Pacífico. O estudo dos efeitos desse terremoto, como Litchfield espera, vai nos ajudar a entender como se comportará essa falha no futuro e qual ameaça ela representa para os moradores da Nova Zelândia.

    Mais:

    Nova Zelândia em alerta geral de tsunami após poderoso terremoto de 7,9 (FOTOS, VÍDEOS)
    Terremoto deste domingo na Itália foi o mais forte desde 1980
    Extração de gás no oeste do Canadá é a causa da maioria dos terremotos na região
    Tags:
    terremoto, Nova Zelândia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar