11:28 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente filipino, Rodrigo Duterte na cúpula em Laos, 8 de setembro de 2016

    Rodrigo Duterte: 'Até fim do meu mandato quero tropas estrangeiras fora das Filipinas'

    © AFP 2019/ ROSLAN RAHMAN
    Ásia e Oceania
    URL curta
    592
    Nos siga no

    Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas, declarou hoje (11) que até 2022, quando termina o seu mandato, tirará o contingente americano do país. E ele não será substituído por qualquer outro exército estrangeiro, escreve o The Wall Street Journal.

    Anteriormente, Duterte dissera que tenciona tirar as tropas estrangeiras do país até 2018.

    "Até o fim do meu mandato eu não quero ver tropas estrangeiras — nem americanas, nem africanas, nem chinesas — nem quaisquer outras" no país, disse o líder filipino.

    O The Wall Street Journal destaca que cerca de 100 militares americanos estão atualmente na ilha Mindanau como conselheiros. Também no país se encontram adidos militares de outros países disse um representante das Forças Armadas filipinas, general Restituto Padilla, destacando que a presença dos americanos é a mais numerosa.

    Anteriormente Duterte havia declarado que chegou a hora de o seu país se despedir dos EUA. Mas depois ele mudou o tom para mais brando, dizendo que as Filipinas não podem romper totalmente as relações com os Estados Unidos, e que a política do país não tem nada a ver com a americana.

    Na quarta-feira (9) Duterte felicitou Donald Trump pela vitória nas eleições presidenciais e expressou a vontade de colaborar com os EUA na base do respeito e vantagem mútuos. Na quinta-feira (10) o líder filipino afirmou que tanto ele como Trump utilizam palavras obscenas e, por isso, têm afinidades.

    Mais:

    O que há por trás das palavras mordazes do presidente filipino?
    Presidente filipino: quero que tropas estrangeiras saiam do meu país
    Presidente filipino nega querer romper laços com EUA
    Tags:
    tropas estrangeiras, Donald Trump, Rodrigo Duterte, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar