22:20 16 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    15251
    Nos siga no

    Parece que o Sudeste Asiático está cada vez mais se afastando da influência norte-americana. A visita do primeiro-ministro malaio à China, que promete a celebração de diversos acordos de grande importância, poderá ser mais uma fase neste processo.

    A visita do primeiro-ministro malaio Najib Razak à China vai durar uma semana e começar em 31 de outubro.  Será que ela significará um ponto de viragem para a política externa malaia, similar à marcada recentemente pelo presidente filipino Rodrigo Duterte?

    A política dos EUA no Mar do Sul da China sofreu um rude golpe durante a visita de Duterte a Pequim, quando ele anunciou oficialmente a ‘separação’ do seu país dos EUA e o ‘realinhamento’ com  ‘o rumo ideológico’ da China. A esta declaração ousada juntaram-se 13 acordos no valor de 13,5 milhões de dólares, abrangendo várias esferas de cooperação.

    Hoje (31) a capital chinesa acolherá mais um visitante importante, o primeiro-ministro malaio Najib Razak, que vai ficar em Pequim durante uma semana inteira, junto com várias dezenas de altos funcionários e empresários.

    "Vamos assinar muitos novos acordos que elevarão as relações entre os nossos países a um nível ainda mais alto", falou o primeiro-ministro no início desta semana.

    Acredita-se que um dos pontos das conversações será o acordo sobre navios-patrulha. No início desta semana, esta informação foi publicada na conta do Facebook do Ministério da Defesa malaio, mas foi excluída depois que jornalistas da Reuters pediram um comentário ao ministério.

    A Reuters comunicou que o porta-voz da chancelaria chinesa, ao falar sobre o ‘vazamento’, frisou que a China e a Malásia estão continuando a "cooperar e comunicar-se regularmente em todas as esferas", mas não avançou mais detalhes. Segundo diz Lam Choong Wah, membro sênior da ‘Pesquisa para o Avanço Social’ (REFSA, sigla em, inglês), um instituto de pesquisa malaio, a Malásia talvez adquira 10 navios-patrulha de fabrico chinês, cada um custando cerca de 7 milhões de dólares.

    “Na verdade poderíamos comprá-los a muitos outros países. Só que a China foi escolhida devido ao apoio prestado à Malásia durante o chamado escândalo financeiro 1MDB, que ameaçou a moeda nacional”, observou o perito.

    Apenas um mês atrás, a Malásia estava entre os países que se manifestaram contra as reivindicações de Pequim sobre as áreas do Mar do Sul da China. Neste momento, a compra de navios-patrulha à China significa "um sinal para os EUA de que a Malásia se afasta deles e se aproxima da China", diz Euan Graham, chefe do programa de segurança internacional no Instituto Lowy, com sede em Sydney.

    Desta maneira, embora a retórica de Najib Razak não seja tão feroz como a de Duterte, os últimos acontecimentos indicam que a influência dos EUA na região parece estar se deteriorando.

    Mais:

    O que há por trás das palavras mordazes do presidente filipino?
    Presidente filipino nega querer romper laços com EUA
    Indonésia vai patrulhar mar de Sulu junto com Malásia e Filipinas
    Tags:
    cooperação militar, visita oficial, negociações, Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), Ministério da Defesa, Rodrigo Duterte, Najib Razak, Mar do Sul da China, Malásia, Filipinas, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar