00:42 29 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6132
    Nos siga no

    Na reunião entre o presidente chinês, Xi Jinping, e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, em Goa, durante a cúpula do BRICS, poderá ser discutida a adesão da Índia ao Grupo de Fornecedores Nucleares (NSG, sigla em inglês), informa a mídia indiana.

    A China está disposta a examinar todas as possibilidades da entrada da índia no NSG, informou o vice-chanceler da China, Li Baodong.

    Será que a Índia, que não assinou o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), consegue entrar para o grupo NSG, composto por 48 países? Quando os EUA apoiaram o pedido indiano para adesão ao NSG, a China se tornou a principal aliada da Índia sobre a questão.

    Nas vésperas da cúpula do G20, em Hangzhou, em setembro deste ano, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, prometeu que até o fim do ano será elaborado um mapa do caminho, que definirá regras de acesso de novos países ao NSG.

    A última ronda de consultas entre a China e Índia sobre o assunto foi realizada em Nova Delhi, no dia 13 de setembro, e atingiu resultados positivos.

    Segundo informou à Sputnik China o chefe do Centro de Globalização e Modernização da China do Instituto de Economia e Comércio, Wang Zhimin, a China está disposta a tratar de maneira construtiva o assunto da entrada da Índia no NSG.

    Zhimin informa que o TNP, assinado em 1968, denominou cinco potências nucleares – EUA, Rússia, China, França e Reino Unido. Os outros países que pretendem aderir ao Tratado devem receber consenso unânime. 

    "Hoje a Índia é uma forte potência, os EUA e a Rússia não se opõem à sua adesão ao NSG e podem chegar a apoiá-la nesta questão", ressalta.

    Segundo ele, a China acredita que, se a Índia chegar a fazer parte do grupo, o Paquistão também precisará aderir, pois se forem analisadas as tensão nas relações indo-paquistanesas, o fato de que um deles não é integrante do NSG não contribuirá para a paz na região e no mundo em geral.

    Na opinião da China, o desejo da Índia de se integrar ao NSG pode representar um novo problema de acordo com as circunstâncias atuais.

    Pyotr Topychkanov, especialista da Academia Russa de Ciências, revela que podem existir certas dificuldades no processo de negociação entre Índia e China:

    "Por um lado, a China, certamente, está pronta para discutir o assunto, mas, por outro, não se sabe se a China concorda em apoiar a decisão da Índia de aderir ao NSG. Isso estará claro só no ano que vem."

    O Grupo de Fornecedores Nucleares, criado em 1975, é uma entidade internacional que tem por objetivo reduzir riscos potenciais de proliferação nuclear através do controle da exportação e transferência de tecnologias e equipamentos.

    Mais:

    China adverte para consequências econômicas após Índia posicionar tanques na fronteira
    China e Índia poderiam usar a experiência sino-russa de regulação de fronteira
    Tags:
    Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, riscos, armas nucleares, adesão, cúpula dos BRICS, Narendra Modi, John Kerry, Xi Jinping, Hangzhou, Nova Deli, Índia, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar