16:57 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA Barack Obama com o presidente chinês Xi Jinping

    EUA aumentam pressão sobre China com pretexto de problema norte-coreano

    © AFP 2017/ Greg BAKER
    Ásia e Oceania
    URL curta
    369

    Agora entre a China e os EUA surgiu um novo foco de tensão. Washington não exclui a introdução de novas sanções contra empresas chinesas devido a sua cooperação com a Coreia do Norte.

    Tal declaração foi feita nas audições no Congresso em 28 de setembro pelo coordenador do Departamento de Estado para política de sanções, Daniel Fried. Esta é uma nova tentativa dos EUA para jogarem a cartada da Coreia e pressionar a China, usando a Coreia do Norte como pretexto e não como a verdadeira razão, pensa o especialista do Instituto do Extremo Oriente, Konstantin Asmolov.

    O diplomata norte-americano não esclareceu nem os nomes, nem o número de empresas chinesas que, segundo as informações de Washington, estão cooperando com a Coreia do Norte ignorando as sanções do Conselho de Segurança da ONU, ou as sanções unilaterais dos EUA, em relação a Pyongyang. Entretanto, Fried ameaçou que todos devem ser punidos.

    Em 26 de setembro, os EUA introduziram sanções contra a empresa chinesa Dandong Hongxiang Industrial Development Co e quatro dos seus funcionários afirmando que ela vendia óxido de alumínio à Coreia do Norte. Ontem (28), Fried lembrou isso aos membros do Congresso dizendo que deve ser um aviso para a China.

    Em setembro de 2015, Washington já tentou falar com a China a linguagem das sanções. Ele ameaçou introduzi-las por causa de ciberataques chineses contra entidades estatais e comerciais dos EUA. Naquele momento, o escândalo surgiu às vésperas da visita do presidente chinês Xi Jinping aos EUA. As fontes chinesas não excluíram que a visita pudesse ser cancelada, bem como a perspectiva para intensificar o comércio bilateral. Em resultado, os norte-americanos desistiram das suas ameaças.

    Em janeiro de 2016, a mídia ocidental declarou que a principal arma geopolítica dos EUA pode ser virada contra eles pela China. Pequim prometeu introduzir sanções contra gigantes norte-americanos como a Apple, Starbucks e MasterCard.

    "Não se trata somente do comércio da empresa chinesa com a Coreia do Norte, como também da tentativa de pressionar a China usando a Coreia do Norte, não como a razão, mas como um pretexto. Como é que a informação de que esta empresa chinesa em concreto envia algo para a Coreia do Norte chega ao Congresso norte-americano, <…> tendo em conta que não há inteligência norte-americana na Coreia do Norte? Essa é a intriga principal de todo este escândalo", disse Asmolov à Sputnik China.

    A ideia das sanções contra a China surgiu quando se tornou claro que a política de sanções não pode resolver o problema nuclear da península coreana. Na opinião do analista, a nova tensão sino-americana agravou ainda mais o problema.

    O especialista chinês Wang Zhinming disse à Sputnik China que as empresas chinesas continuam a cooperação para lucrar mais.

    "A China, bem como outros países membros da ONU, apoia as sanções contra a Coreia do Norte, mas é necessário esclarecer uma coisa – o objetivo das sanções da ONU é estimular a Coreia do Norte a cancelar os testes nucleares e não criar um bloqueio para os residentes do país", afirmou.

    Na opinião do analista, os EUA introduzem sanções tendo em conta a sua legislação, mas as sanções devem ter um caráter internacional.

    O problema norte-coreano não foi provocado pelas ações chinesas e a China não possui a chave para sua resolução, disse o representante chinês Geng Shuang. O problema é a divergência de posições da Coreia do Norte e dos EUA. Quanto ao comércio entre a China e a Coreia do Norte, ele corresponde às resoluções e legislação chinesas.

    Mais:

    Viagem ao desconhecido: Coreia do Norte realiza show aéreo para atrair turistas
    Coreia do Sul está pronta para eliminar Kim Jong-un em caso de ameaça norte-coreana
    Coreia do Norte ameaça destruir Seul e base dos EUA com armas nucleares
    'EUA avisam Coreia do Norte enviando bombardeiro para perto da fronteira'
    Tags:
    economia, política, pressão, ameaça nuclear, sanções, Departamento de Defesa dos EUA, EUA, China, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik