13:44 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Veículos de assalto anfíbios com tropas americanas e filipinas em exercício militar no mar da China Meridional

    Filipinas planejam reavaliar exercícios militares conjuntos com EUA

    © AP Photo/ Bullit Marquez
    Ásia e Oceania
    URL curta
    581

    O secretário das Relações Exteriores filipino, Perfecto Yasai, anunciou na quinta-feira (29) que seu país fará exercícios conjuntos com os EUA em 2017, mas que a partir de 2018 pretende rever a sua realização, informa a agência Reuters.

    Segundo o ministro, as Filipinas pretendem manter relações de amizade com todos os países, o que ajudará a resolver as disputas em torno do mar do Sul da China.

    De acordo com a agência, na quarta-feira (28) o presidente filipino Rodrigo Duterte anunciou que as próximas manobras militares com os EUA, programadas para a semana que vem, serão as últimas. Apesar disso, a chancelaria filipina especificou que as manobras militares conjuntas de 2017 já tinham sido acordadas pelo governo anterior do país.

    A China e outros países da região – Japão, Vietnã e Filipinas – têm discordâncias quanto às fronteiras marítimas e zonas de responsabilidade no mar do Sul da China e mar da China Meridional. Em 12 de Julho, o Tribunal de Haia decidiu que Pequim não tinha qualquer base legal para reivindicar direitos históricos no mar do Sul da China, violando os direitos soberanos das Filipinas sob a zona econômica exclusiva do país. A decisão veio depois de Manila abrir um processo em janeiro de 2013, acusando Pequim de violar a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.

    Mais:

    'Que se f***': quem irritou o presidente das Filipinas desta vez?
    Filipinas estudam compra de armas à Rússia e China, para serem 'independentes' dos EUA
    Tags:
    disputa territorial, exercícios navais, fronteiras, manobras, Tribunal de Haia, Reuters, Rodrigo Duterte, Mar da China Meridional, Mar do Sul da China, Vietnã, Filipinas, China, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik