01:19 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Coreia do Norte lança o satélite Kwangmyong 4

    Coreia do Norte testa motor de foguete para lançar satélites geoestacionários

    © AFP 2018 / YONHAP / NORTH KOREAN TV
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1211

    Assim que a Coreia do Norte anunciou em 20 de setembro ter realizado um teste bem-sucedido do novo motor de foguete para lançar satélites geoestacionários, a maioria dos especialistas militares sul-coreanos alertou para que o país estaria preparando uma nova provocação com lançamento de mísseis balísticos intercontinentais (MBI).

    Porém, há quem diga que estes testes poderão ser o sinal de uma ameaça militar muito mais séria.

    Segundo os sul-coreanos, caso realmente se trate de um satélite geoestacionário, esse fato indica que a ciência do país se encontra numa fase avançada de desenvolvimento e que o poder militar da Coreia do Norte tem aumentado.

    Kim Jong-un observa o lançamento de um míssil balístico
    © REUTERS / KCNA/ via REUTERS/Foto de arquivo
    Segundo o professor do Instituto de Pesquisas do Extremo Oriente da Universidade de Kyungnam, Kim Dong-yup, "o Ministério da Defesa entende de maneira errada o lançamento de foguete como apenas um passo no desenvolvimento de tecnologia de MBI, pois a Coreia do Norte também realiza projetos mais gerais".

    De acordo com Kim Dong-yup, "se compararmos as fotos do teste de motor para MBI publicadas no jornal norte-coreano Rodong Sinmun em abril deste ano e a foto do novo teste de foguete, é evidente que a potência do segundo motor (a combustível líquido) aumentou consideravelmente".

    Kim Dong-yup ressalta que "desta vez a Coreia do Norte anunciou que o poder do motor alcança 80 toneladas-força, o que supera em quatro vezes a potência do míssil balístico Nodong (27 toneladas-força)".

    "Isso significa que, tendo apenas dois motores desse tipo (com poder total de 160 toneladas-força), é possível enviar objetos mais pesados a maiores distâncias", acrescenta.

    Na opinião do professor, a Coreia do Sul considera a existência da Coreia do Norte em termos da sua própria segurança e toma em conta as provocações possíveis por parte da Coreia do Norte.

    "Surgem alegações absurdas de que em 10 de outubro, ou até antes, será lançado um foguete com o motor que foi testado hoje", diz o professor.

    "Um MBI e um foguete para satélites geoestacionários são a mesma coisa que rodas dianteiras e traseiras de um automóvel: a tecnologia básica é a mesma, mas suas funções e finalidades são diferentes", explica o professor.

    Ele indica que serão necessários pelo menos 10 anos para realizar um lançamento de teste usando este motor de foguete.

    O professor sugeriu que as tecnologias militares da Coreia do Norte serão muito mais perigosas do que um simples MBI.

    De acordo com Kim Dong-yup, "para o lançamento de um satélite geoestacionário serão necessários motores mais potentes capazes de levá-lo a uma altitude que supera os 500 quilômetros<…>"

    Segundo ele, "tais satélites serão capazes de estar num ponto determinado girando junto com a Terra e, se for necessário, se deslocarem para outras coordenadas" para serem usados como análogo ao GPS e para outras finalidades.

    Mais:

    ONU apoia contramedidas da Coreia do Sul sobre teste nuclear norte-coreano
    EUA pedem 'negociações sérias' à Coreia do Norte
    Tags:
    míssil balístico intercontinental, provocação, satélite, foguete, ameaça, GPS, Nodong, Ministério da Defesa, Terra, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik