11:05 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Bombardeiro norte-americano B-1B

    Demonstração de força: bombardeiros dos EUA sobrevoam Coreia do Sul

    © flickr.com/ US Air Force
    Ásia e Oceania
    URL curta
    73521311

    Dois bombardeiros norte-americanos B-1B efetuaram um voo sobre o território da Coreia do Sul, comunica a agência Yonhap citando comandantes do exército dos EUA deslocados no país.

    Se aponta que bombardeiros hipersônicos decolaram da base aérea de Guam, na Micronésia, com destino à base de Osan, na Coreia do Sul, tendo sobrevoado uma zona perto de Seul. O voo foi acompanhado por quatro caças F-15 da Coreia do Sul e quatro F-16 americanos. 

    "Os testes nucleares da Coreia do Norte provocam uma escalação perigosa e representam uma ameaça inaceitável. Os EUA têm intenções sérias de defender os seus aliados na região e dar os passos necessários para tal, incluindo a realização de tais operações como o deslocamento do sistema de defesa antiaérea THAAD na península coreana. A demonstração de hoje é só um exemplo de uma série de capacidades militares da aliança que podem ser utilizadas para garantir e reforçar a contenção", cita a agência Yonhap um dos comandantes. 

    Em agosto os EUA instalaram aviões B-1B na base de Guam para, segundo disseram, conter as ameaças da Coreia do Norte. Estes aviões são capazes de carregar armas nucleares, bombas anti-bunker e bombas guiadas GBU-38.

    ​Na sexta (9) a Coreia do Norte comunicou a realização bem sucedida de mais um teste nuclear. Este ato já foi condenado pelo Japão, EUA e uma série dos países europeus. O ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov disse que "Moscou está bastante preocupada com realização do teste".

    Mais:

    Coreia do Sul e EUA acordam instalação de sistema antimíssil THAAD
    Opinião: Coreia do Sul fez 'cena de ciúmes' aos EUA
    Tags:
    capacidade militar, demonstração, aviação militar, bombardeiro estratégico, voo, caça, ameaça, B-1B, F-15, F-16, Coreia do Sul, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik