02:36 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Exercícios navais dos EUA e das Filipinas nas águas do Mar do Sul da China, em junho de 2014

    Presidente filipino busca 'aterrissagem segura' na disputa sobre o mar do Sul da China

    © AFP 2017/ NOEL CELIS/POOL
    Ásia e Oceania
    URL curta
    222

    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, busca uma conclusão diplomática da disputa sobre o mar do Sul da China, o porta-voz de Duterte, Ernesto Abella, comunicou na quarta-feira (7).

    A delegação filipina, liderada por Duterte, está participando de um encontro de três dias da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), iniciado na capital vietnamita, Laos, na terça-feira (6).

    "O presidente deu uma pausa. Ele está à procura de uma 'aterrissagem segura' nas relações com a China. Reuniões relevantes com a parte chinesa estão sendo realizadas", informou Abella em entrevista.

    O porta-voz não especificou se as reuniões estão sendo realizadas na cúpula da ASEAN.

    O mapa dos territórios em disputa no mar do Sul da China
    O mapa dos territórios em disputa no mar do Sul da China
    Em 12 de Julho, o Tribunal de Haia decidiu que Pequim não tinha base legal alguma para reivindicar direitos históricos no mar do Sul da China, violando os direitos soberanos das Filipinas sob a zona econômica exclusiva do país. A decisão veio depois de Manila abrir um processo em janeiro de 2013, acusando Pequim de violar a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.

    As reivindicações territoriais de Pequim pelas Ilhas Spratly no mar do Sul da China, que possivelmente são ricas em reservas de petróleo e gás, contradizem as das Filipinas, de Taiwan, da Malásia, do Brunei e do Vietnã.

    Mais:

    Rússia e ASEAN podem juntar esforços para responder ao crime cibernético
    ASEAN não obedece aos EUA e mostra sabedoria
    ASEAN apela à contenção nas disputas no mar do Sul da China
    Tags:
    Rodrigo Duterte, Mar do Sul da China, Filipinas, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik