09:03 18 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0120
    Nos siga no

    Os mísseis balísticos recentemente lançados por Pyongyang significam que a Coreia do Norte continua trabalhando na tecnologia de mísseis para avançar nesta área, disse o ministro da Defesa do Japão, Tomomi Inada, na terça-feira.

    Na segunda-feira a Coreia do Norte disparou mais três mísseis balísticos em direção do mar do Japão, segundo informou a agência sul-coreana Yonhap, citando fontes militares. De acordo com o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul, os testes foram realizados a partir  da zona metropolitana de Hwangju, na província de Hwanghae do Norte. Mais tarde foi relatado que o líder norte-coreano Kim Jong-un assistiu o lançamento de mísseis e sublinhou que é necessário reforçar as forças nucleares do país.

    "Três mísseis balísticos, lançados de um local, atingiram simultaneamente a zona econômica exclusiva do Japão e caíram no mar aproximadamente no único ponto. Anteriormente um míssil balístico havia sido lançado de um submarino. Tudo isso mostra um progresso na tecnologia de mísseis da Coreia do Norte", disse Inada.

    O ministro da Defesa sublinhou que seu país deve responder às provocações constantemente realizadas pela Coreia do Norte.  O Japão deve acelerar a cooperação com os Estados Unidos na área da defesa antimíssil neste contexto, acrescentou ele.

    Apesar das recentes sanções introduzidas pelo Conselho de Segurança da ONU e ameaças dos países adversários dos norte-coreanos, Pyongyang declarou que não pretende desistir de elaboração de tecnologias nucleares e de mísseis enquanto sentir ameaça por parte dos Estados Unidos.

    Mais:

    Míssil balístico da Coreia do Norte atinge zona de identificação da defesa aérea do Japão
    Coreia do Norte lança míssil balístico de submarino no mar do Japão
    Japão pede que Coreia do Norte pare com as 'provocações'
    Tags:
    Coreia do Norte, Japão, Mar do Japão, Estados Unidos, Kim Jong-un, ONU, lançamento, mísseis balísticos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar