21:32 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    260
    Nos siga no

    Pelo menos 712 pessoas foram mortas nas Filipinas desde o início de julho, quando o presidente Rodrigo Duterte ordenou o início de operações policiais antidrogas para tentar acabar com os crimes relacionados ao problema no país, segundo informou a imprensa internacional nesta segunda-feira (22).

    Ronald dela Rosa, chefe da polícia das Filipinas, disse ainda que mais 1.067 assassinatos foram cometidos por grupos de extermínio no mesmo período, segundo relatou o jornal The Guardian.

    A contagem oficial em quase dois meses de operações é maior do que a maior parte das contagens não oficiais de assassinatos realizadas desde que Duterte foi empossado, em 30 de junho, acrescentou a publicação.

    As Nações Unidas e numerosos grupos de direitos humanos afirmam que a campanha do presidente filipino contra as drogas tem causado uma onda de assassinatos de supostos usuários e traficantes. Os relatores especiais da ONU exigiram em 18 de agosto que o país respeite os direitos humanos básicos. Vários dias depois, Duterte ameaçou abandonar as Nações Unidas após a organização ter denunciado a prática de execuções extrajudiciais no país.

    Mais:

    Presidente filipino dá ultimato a funcionários ligados a tráfico de drogas
    Filipinas podem sair da ONU
    Presidente das Filipinas declara fim do cessar-fogo unilateral com rebeldes comunistas
    Washington protesta contra ofensas do presidente das Filipinas aos embaixador dos EUA
    Tags:
    tráfico de drogas, direitos humanos, execuções extrajudiciais, mortes, guerra às drogas, ONU, Rodrigo Duterte, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar