01:26 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas

    Filipinas podem sair da ONU

    © AFP 2018/ NOEL CELIS
    Ásia e Oceania
    URL curta
    39302

    Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas, declarou que país pode deixar a ONU em resposta às duras críticas que o seu país tem sido sujeito por parte da organização devido ao crescente número de assassinatos nas operações policiais de combate ao tráfico de drogas.

    Na quinta-feira (18) especialistas da ONU para os direitos humanos reprovaram os métodos das autoridades filipenses e apelaram às autoridades locais a porem fim aos assassinatos desordenados e às execuções de suspeitos sem investigação judicial completa.

    Duterte declarou que estas mortes não estão ligadas às ações de polícia e, por sua vez, apelou à ONU a realizar uma investigação mais precisa. O presidente filipense criticou a organização, em particular o seu aliado mais próximo que são os EUA, sublinhando que a ONU não cumpre as suas funções essenciais e "se preocupa com um monte de ossos de criminosos", informa a agência Reuters.

    "Não quero ofender você. Mas, se calhar, devíamos simplesmente sair da ONU. Por que temos que escutar estes palhaços?", disse ele em um discurso televisivo.

    Ele também mencionou a criação de uma organização internacional alternativa, para a qual poderiam ser convidados países como a China e outros.

    O presidente das Filipinas é a favor do combate em grande escala aos consumidores de drogas bem como aos traficantes. A agência destaca que, desde o início da sua presidência, foram mortas cerca de 900 pessoas ligadas às drogas.

    Mais:

    Filipinas dispostas a dividir recursos naturais com Pequim no Mar do Sul da China
    China chama Filipinas a parar com provocações no mar do Sul da China
    Washington protesta contra ofensas do presidente das Filipinas aos embaixador dos EUA
    Tags:
    traficantes, direitos humanos, tráfico de drogas, ONU, EUA, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik