00:27 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Su-30 da aviação russa

    Mídia: Índia e Rússia negociam acordo de modernização de caças Su-30

    © Sputnik / Evgeny Epanchintsev
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2100

    A Índia e a Rússia podem fechar até o final do ano um contrato para a modernização dos caças Sukhoi Su-30 que estão no serviço da Força Aérea da Índia, informou a imprensa local nesta terça (16).

    "No mês passado realizamos consultas, que foram bem-sucedidas. Esperamos fechar o contrato em breve", disse um alto funcionário ao jornal The Hindu.

    Anteriormente, o jornal The Economic Times havia informado que as partes vão especificar os detalhes técnicos do contrato até o final do ano.

    ​Depois da modernização, os Su-30 terão novo radar, aviónica e novos armamentos, bem como maior capacidade de guerra eletrônica, escreve The Hindu.

    O valor do contrato ainda não foi revelado, mas as autoridades estimam que ficará entre 7.000 e 8.000 milhões de dólares.

    No final de 1990, a Índia assinou o contrato prévio com a Rússia, que inicialmente previa o fornecimento de 50 caças Su-30. Em seguida, foi feita a encomenda de 272 caças Su-30MKI, a serem fabricados pela empresa indiana Hindustan Aeronautics Limited (HAL) em Nasik. De acordo com as previsões, nos próximos dois anos, a empresa terminará a assemblagem da restantes 222 aeronaves. A planta HAL produz de 10 a 12 aeronaves por ano.

    O Sukhoi Su-30 (Flanker C, segundo a classificação de OTAN) é um caça multiuso, bimotor, de dois tripulantes, desenvolvido pela empresa Sukhoi. Possui capacidade operacional em qualquer condição climática e pode ser usado em combate ar-ar quanto em missões de interdição aérea.

    Mais:

    Paquistão propõe à Índia negociações sobre Caxemira
    Índia pagará US$ 300 milhões para modernizar helicópteros russos Ka-28
    Índia considera compra de navio de resgate russo
    Tags:
    valor, contrato, modernização, caça, Su-30, OTAN, Força Aérea, Índia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar