Europa
© Sputnik/ Stringer

Ultrassecreto: EUA publicam relatório da inteligência sobre acidente nuclear de Chernobyl

URL curta
Nos siga no

O Arquivo Nacional de Segurança dos EUA publicou o primeiro relatório da inteligência, desclassificado em 2011, sobre o acidente na Usina Nuclear de Chernobyl.

Segundo informa o portal do Arquivo, o relatório contém documentos dos "mais altos níveis da União Soviética", protocolos e diários das sessões do Politburo logo após a catástrofe, assim como detalha os pormenores do encobrimento e mobilização.

As "reações desclassificadas da inteligência do Departamento do Estado dos EUA" também foram incluídas.

Todos deveriam ter morrido?

Segundo o relatório de 2 de maio de 1986, destinado para o secretário de Estado George Shultz, nos primeiros dias após a catástrofe os serviços de inteligência dos EUA duvidaram da veracidade dos relatos oficiais sobre a quantidade de vítimas.

Eles tiraram suas conclusões com base nas fotografias das destruições no 4º reator da usina nuclear.

"Toda a comunidade de inteligência considera como um disparate terem morrido só duas pessoas", escreve o assistente do secretário do Estado para questões de inteligência e pesquisas, Morton Abramowitz.

Segundo ele, o turno diurno no reator contava com cerca de 100 pessoas e o turno noturno – com 25-35. Abramowitz notou que os reatores nº 3 e 4 estão localizados perto um do outro, por isso, durante o dia estariam cerca de 200 pessoas perto do reator e durante a noite até 70.

© Sputnik/ Aleksei Vovk
Zona de exclusão de Chernobyl, cidade de Pripyat

Então, a inteligência afirmou que "todos os que estavam na proximidade imediata do epicentro da explosão teriam morrido imediatamente ou recebido doses de radiação incompatíveis com a vida".

A visão de testemunhas

O ex-militar soviético e chefe da operação para eliminação dos elementos radioativos das zonas extremamente perigosas da usina nuclear de Chernobyl, Nikolai Tarakanov, considerou os dados publicados como uma "invenção louca".

"Logo após a explosão não houve nenhuma grande quantidade de mortos", disse Tarakanov à Sputnik.

Ele notou que durante as primeiras horas após o acidente morreram só duas pessoas, e só depois, em maio e junho de 1986, cerca de 30 pessoas morreram por causa de radiolesões.

'Secretismo' rodeia o desastre

O relatório também inclui protocolos do Grupo Operacional do Politburo sobre Chernobyl, publicados na Rússia ainda em 1992 pela jornalista Alla Yaroshinskaya, e começa com um ensaio "escrito especialmente para esta publicação" da jornalista, que revisa a história de Chernovbyl e revela as "mentiras e secretismo que rodeavam o desastre", escreve o portal.

O portal indica que esta é a primeira parte da publicação documental sobre a história de Chernobyl.

A catástrofe ocorreu em 26 de abril de 1986, quando o 4º reator nuclear da usina de Chernobyl explodiu.