16:22 21 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 134
    Nos siga no

    O acordo entre a Argentina e o Brasil para reduzir a Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul em 10% não é tanto uma disputa entre os dois países mas uma derrota dos setores mais liberais do governo brasileiro e, em particular, do ministro da economia Paulo Guedes, disse à Sputnik o analista internacional Camilo López.

    O acordo anunciado pelos chanceleres de ambos países, o argentino Santiago Cafiero e o brasileiro Carlos França, permitirá reduzir em 10% a tarifa aplicada aos bens de países externos quando essas mercadorias entram no bloco.

    Os chanceleres indicaram que a redução seria aplicada à grande maioria das mercadorias, mantendo no entanto a proteção de alguns setores como o automotivo, o têxtil e o calçado.

    Se bem que reduzir a tarifa comum era uma das demandas daqueles que pretendiam uma maior liberalização do bloco, a imprensa brasileira, como a Folha de S. Paulo, destaca a diferença entre os 10% alcançados e a pretensão inicial do ministro Guedes, que defendia uma redução de cerca de 50%.

    Para Camilo López, pesquisador uruguaio em Ciências Políticas e Relações Internacionais, para entender o significado político por trás da medida é necessário considerar "a dimensão política doméstica brasileira".

    "Claramente o que se nota aqui é que, na pressão que existe sobre a política externa brasileira, prevalece a visão da chancelaria", observou o analista.

    Nesse sentido, López afirma que nessa "luta" entre a chancelaria e o Ministério da Economia há "sectores internos dos dois países que obtêm benefícios". Dessa maneira, os interesses dos grupos industriais brasileiros a favor de não reduzir as tarifas parecem ter tido mais peso do que a vontade do agronegócio do Brasil, impulsionador de uma maior liberalização.

    Por que Brasil e a Argentina chegaram a acordo?

    O especialista notou que os interesses desses industriais do Brasil, por sua vez, coincidem com os industriais argentinos e acabam sendo a base para o acordo entre Brasília e Buenos Aires.

    Apesar das diferenças políticas entre as administrações de Alberto Fernández e Jair Bolsonaro, o pesquisador uruguaio opina que a chave das aproximações entre os países está na importância vital que esse vínculo (Brasil- Argentina) tem para a América do Sul em tempos de mudanças no plano internacional.

    "Na história, a integração regional sul-americana funciona se a Argentina e o Brasil chegam a acordo. E esse acordo às vezes tem a ver com a forma como [eles] se posicionam frente a atores externos ou a situações desafiadoras a nível doméstico", explicou.

    Entretanto, segundo o pesquisador, as duas potências sul-americanas se aproximam em um contexto de maior "projeção dos EUA e da China sobre a região", um contexto no qual "há incentivos para ter algum tipo de ação coletiva".

    O presidente argentino Alberto Fernández participa da cúpula virtual de 30 anos do Mercosul
    © REUTERS / Esteban Collazo / Presidência da Argentina
    O presidente argentino Alberto Fernández participa da cúpula virtual de 30 anos do Mercosul

    Para o cientista político, o consenso entre Brasília e Buenos Aires para reduzir as tarifas em apenas 10% acaba sendo uma má notícia para os interesses chineses, enquanto pode ser considerado "um sinal de primazia" dos interesses defendidos pelo chanceler.

    "A minha opinião é que as negociações com países terceiros parecem não ser muito claras no acordo", observou.

    López contrastou essa postura com o caminho de maior flexibilização do Mercosul que defendia o governo do Uruguai, que em setembro anunciou a vontade da China de avançar em um acordo comercial que pudesse, no futuro, estender-se a todo o bloco regional.

    De acordo com o analista, na sua análise, o governo uruguaio se baseou excessivamente na posição de Guedes e "não prestou atenção à situação interna brasileira para saber que o que a Economia estava dizendo não era a voz principal" no Brasil.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Pacto Mercosul-UE é muito mais vantajoso para o Brasil do que acordo com a China, afirma economista
    Uruguai avança em acordo comercial com China à revelia do Mercosul
    Desacordos dentro do Mercosul possibilitam maior inserção da China em países do bloco, diz analista
    Tags:
    Mercosul, Argentina, Brasil, China, redução de tarifas, Paulo Guedes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar