02:31 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    835
    Nos siga no

    A Câmara dos Representantes dos EUA já havia aprovado legislação para compensar funcionários da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) dos EUA e diplomatas afetados pela chamada "síndrome de Havana".

    O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou nesta sexta-feira (8) que sancionou uma medida que prevê uma indenização ao corpo diplomático norte-americano cuja saúde tenha sido afetada pela síndrome de Havana.

    "Hoje, tive o prazer de assinar a Lei HAVANA como lei para garantir que estamos fazendo o nosso melhor para atender aos funcionários do governo dos EUA que sofreram incidentes de saúde anômalos", lê-se no comunicado do presidente norte-americano.

    Anteriormente, a Câmara dos EUA aprovou, por unanimidade, uma legislação para compensar empregados da CIA e diplomatas afetados pela anomalia enquanto serviam em Cuba, China e outros lugares.

    Casos ao redor do mundo

    Diplomatas norte-americanos foram diagnosticados com a síndrome de Havana pela primeira vez em Cuba em 2016 e depois na China em 2018. Os diplomatas disseram ter ouvido sons penetrantes que causaram efeitos colaterais a longo prazo.

    Desde então, houve rumores de que afetou autoridades norte-americanas também na Rússia, Áustria e até mesmo em Washington. Mais de 200 funcionários dos EUA, em todo o mundo, se queixaram dos sintomas que caracterizam a síndrome de Havana: dores de cabeça, perda de audição e problemas de memória.

    Em setembro, um agente da CIA, que viajou à Índia nesse mês com o chefe da entidade, William Burns, relatou sintomas consistentes com a síndrome de Havana. O funcionário, que não teve a identificada revelada, supostamente teve que receber assistência médica.

    "Os funcionários que vão para o exterior estão preocupados sobre se eles ou suas famílias estão em risco. Isso é totalmente compreensível e gostaria que tivéssemos mais respostas para você. Continuaremos buscando respostas, faremos o possível para proteger nosso povo e garantir que todos recebem os cuidados e o tratamento de que precisam", afirmou Blinken na ocasião.

    Mais:

    Síndrome de Havana: Cuba responde ao relatório dos EUA sobre doença misteriosa de diplomatas
    'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA
    'Síndrome de Havana' de diplomatas americanos continua em Viena, relata mídia
    Cuba nega existência de 'síndrome de Havana' por não ter 'evidências científicas dos ataques'
    Tags:
    síndrome, Cuba, Cuba, EUA, doença, Havana
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar