22:30 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    4365
    Nos siga no

    Funcionários da contrainteligência dos EUA disseram em uma carta secreta enviada a todas as suas bases no mundo que muitos agentes recrutados em outros países vão se perdendo, segundo uma mídia.

    A Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA, na sigla em inglês) enviou na semana passada a seus escritórios em outros países uma carta em que adverte sobre uma perda crescente de informantes locais, informou The New York Times, citando várias pessoas familiarizadas com o assunto.

    A carta da CIA faz referência a dezenas de colaboradores estrangeiros presos ou até assassinados. Há também outras pessoas que foram comprometidas ou convertidas em agentes duplos em benefício de serviços secretos de outros países, como o Irã, Rússia e China.

    Ao mesmo tempo, a CIA sublinhou que é difícil recrutar novos informantes. O problema fundamental é que os agentes da CIA subestimam as capacidades dos serviços de contrainteligência de outros países.

    A carta enviada também critica a baixa competência técnica de seus próprios agentes e sua confiança excessiva em suas fontes, conforme a mídia.

    Quanto às razões objetivas do atual pior desempenho dos espiões norte-americanos, a agência afirmou que isso está ligado ao maior desenvolvimento de seus adversários. Em particular, aponta que o uso de escaneamento biométrico, reconhecimento facial, inteligência artificial e hacking facilitou a localização de seus agentes fora dos EUA.

    Mais:

    Inteligência da Rússia considera acusações contra 3º suspeito no caso Skripal 'mais uma mentira'
    Serviços de segurança dos EUA ameaçam o jornalismo, diz especialista americano
    Telefones de 5 ministros da França teriam sido infectados com malware Pegasus
    Inteligência britânica poderia ter estado envolvida na morte de Soleimani, aponta investigação
    Tags:
    EUA, CIA, inteligência, Rússia, China, Irã, espião
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar