10:52 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3225
    Nos siga no

    Segundo relatos da mídia dos EUA e da China, o comportamento imprevisível do ex-presidente norte-americano Donald Trump no final de 2020 e início de 2021 obrigou a um reforço de comunicação por Washington e Pequim.

    Altos responsáveis do Exército de Libertação Popular (ELP) da China temiam que os EUA estivessem tentando levar Pequim a uma resposta militar no final de 2020 através de "provocações", disse na segunda-feira (4) o jornal South China Morning Post (SCMP).

    O SCMP parece confirmar um memorando dado por Mark A. Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto, e o mais alto oficial militar dos EUA, ao Comitê de Serviços Armados do Senado em setembro, durante o primeiro de dois telefonemas a Li Zuocheng, seu homólogo do ELP, no qual o general norte-americano o assegurou que Washington não tinha planos de atacar Pequim.

    O primeiro telefonema aconteceu em 30 de outubro de 2020, quatro dias antes das eleições presidenciais dos EUA.

    Em seu livro "Peril" ("Perigo"), lançado em 21 de setembro de 2021, Bob Woodward e Robert Costa, jornalistas do jornal The Washington Post, detalharam uma série de conversas entre Milley e várias outras figuras da alta administração, incluindo os diretores das principais agências de inteligência e legisladores seniores.

    Durante a discussão os militares e altos responsáveis concordaram em interditar qualquer ação de continuação por parte de Donald Trump, ex-presidente norte-americano (2017-2021), após a tentativa de assalto do Capitólio em Washington por seus apoiadores em 6 de janeiro.

    Em 8 de janeiro de 2021 Milley se dirigiu a Li pela segunda vez, falando por 90 minutos, mas mesmo depois que Milley assegurou a Li que Trump não atacaria a China ou tentaria outra tomada de poder em Washington, Li "continuou estranhamente agitado", disse ele aos jornalistas do diário.

    De acordo com o memorando de Milley, o ELP só começou a reduzir seus níveis de prontidão operacional em 30 de janeiro, dez dias após Biden ter tomado posse como presidente sob proteção de 26.000 soldados norte-americanos em Washington.

    Tensões sino-americanas pré-eleitorais

    "Os crescentes movimentos provocatórios dos militares dos EUA no mar do Sul da China significaram que Pequim não sabia como reagir, especialmente porque as especulações sobre uma 'surpresa de outubro' [promovida por Trump] se espalhavam e eram citadas pela mídia nacional e internacional", disse Zhou Chenming, pesquisador do instituto militar de ciência e tecnologia Yuan Wang em Pequim, ao SCMP.

    "O que o ELP podia fazer era aumentar os níveis de prontidão operacional para lidar com as aeronaves e navios de guerra cada vez maiores enviados pelo Comando Indo-Pacífico dos EUA perto da China".

    Em 21 de outubro de 2021, mídia internacional relatou que todos os cinco comandos de teatro do ELP estavam em "alerta máximo" como resposta às tensões regionais, levando Mark Esper, chefe do Pentágono, e outros altos responsáveis interagências, a instruir Milley a contatar seu homólogo, de acordo com o memorando.

    Mais:

    Administração Biden aprova 1ª venda de armas a Taiwan em meio a tensões com China
    Especialistas advertem que 'chances de um conflito' entre China e EUA aumentam
    Pentágono emite diretiva para acelerar contenção da China 'como principal desafio dos EUA'
    Tags:
    EUA, China, Donald Trump, ELP, South China Morning Post, Comitê de Serviços Armados do Senado, Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA, Bob Woodward, The Washington Post, Joe Biden, Zhou Chenming
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar