21:53 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2164
    Nos siga no

    Mark Zuckerberg, presidente executivo da empresa Facebook e outras redes sociais, tem responsabilidade acrescida pelo dano que acaba propagando, afirmou ex-alta responsável da rede social.

    Frances Haugen, ex-gerente de produtos do Facebook e denunciante da empresa, testemunhou na terça-feira (5) ante o Subcomitê de Comércio e Proteção ao Consumidor do Senado norte-americano, sobre os supostos abusos cometidos pelo gigante de TI dos EUA.

    "Mark [Zuckerberg, CEO da empresa] tem um papel muito singular na indústria tecnológica, ele detém mais de 55% de todas as ações com direito a voto no Facebook. No final, o dólar para com Mark. Não há ninguém atualmente responsabilizando Mark a não ser ele mesmo", disse na terça-feira (5) Haugen.

    Durante testemunho no Congresso dos EUA, ela acusou a empresa de Zuckerberg de estar ciente de que a rede social Instagram, também pertencente ao Facebook, aparentemente está prejudicando alguns adolescentes, e que tem sido desonesta em sua luta pública contra o ódio e a desinformação.

    "A liderança da empresa sabe como tornar o Facebook e o Instagram mais seguros, mas não fará as mudanças necessárias porque eles colocaram seus lucros astronômicos à frente das pessoas. É necessária uma ação congressional. Eles não resolverão esta crise sem sua ajuda", comentou, declarando que "a empresa esconde intencionalmente informações vitais do público, do governo dos EUA e de governos de todo o mundo".

    "Os documentos que eu forneci ao Congresso provam que o Facebook tem repetidamente enganado o público sobre o que suas próprias pesquisas revelam sobre a segurança das crianças, a eficácia de seus sistemas de inteligência artificial e seu papel na disseminação de mensagens extremas e divisórias".

    De acordo com a Haugen, o Facebook não faz o suficiente para combater a promoção do "ódio e divisão".

    "Um padrão de comportamento que vi no Facebook foi que muitas vezes os problemas tinham tão pouco pessoal que havia uma espécie de desânimo implícito de ter melhores sistemas de detecção", contou a ex-alta responsável da empresa.

    "Por exemplo, minha última equipe no Facebook estava na equipe de Contraespionagem dentro do trabalho de Inteligência de Ameaças e, a qualquer momento, nossa equipe só podia lidar com um terço dos casos que conhecíamos. Sabíamos que se construíssemos até mesmo um detector básico, provavelmente teríamos muito mais casos".

    Práticas do Facebook

    Nas últimas semanas, Haugen revelou milhares de documentos sugerindo que o Facebook escondeu evidências e mentiu sobre sua plataforma, espalhando o que ela descreveu como "informação prejudicial".

    O Subcomitê de Comércio de Proteção ao Consumidor do Senado está investigando o uso de informações de seus próprios pesquisadores no Instagram pelo Facebook que poderiam indicar danos potenciais para alguns de seus jovens usuários. De acordo com a pesquisa vazada por Haugen, certa pressão dos colegas forçou alguns adolescentes a terem problemas de saúde mental e de imagem corporal, bem como distúrbios alimentares e pensamentos suicidas.

    Na segunda-feira (4) o Facebook e sua família de aplicativos, Instagram, WhatsApp e Messenger, foram atingidos pelo pior apagão da história da empresa.

    Os aplicativos começaram a funcionar novamente várias horas depois, com a equipe de recuperação do Facebook dizendo que o evento foi causado por uma atualização do protocolo de gateway de fronteira.

    Mais:

    WhatsApp, Facebook, Instagram e outros serviços ficam fora do ar por horas em todo o mundo
    Congressista dos EUA acusa Amazon e Facebook de lucrarem com desinformação antivacinas
    Facebook é multado na Coreia do Sul por coletar fotos de reconhecimento facial sem consentimento
    Tags:
    Facebook, EUA, Facebook, Congresso dos EUA, Congresso, Senado, Senado dos EUA, Mark Zuckerberg, Instagram
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar