11:05 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7442
    Nos siga no

    Um homem armado com uma espada de samurai e vestido de ninja atacou diversos soldados das Forças Especiais dos EUA que treinavam em um aeroporto da Califórnia.

    O ataque fez com que os militares "se entrincheirassem" em um hangar, informou o portal Military.com.

    No dia 18 de setembro, durante a madrugada, um soldado estava sentado fora do prédio da administração do hangar quando um homem "vestido de ninja", que invadiu o aeroporto de Inyokern, localizado a aproximadamente 160 quilômetros da cidade de Los Angeles, aproximou-se e começou a o atacar com uma espada.

    O soldado das Forças Especiais fugiu do ataque e se trancou junto a um capitão no prédio administrativo, enquanto o homem "socava as portas e janelas" antes de lançar uma pedra que atingiu o capitão.

    Soldados armados do exército norte-americano
    Soldados armados do exército norte-americano

    De acordo com o Departamento de Polícia de Ridgecrest, foram efetuadas duas chamadas de assistência, em uma das quais foi reportado que "26 militares das Forças Especiais" que treinavam no aeroporto "se entrincheiraram em um hangar, perguntando onde estava a ajuda".

    Posteriormente, o gabinete do xerife do condado de Kern informou que quando a polícia chegou ao local, o suspeito, de 35 anos de idade e identificado como Gino Rivera, negou cumprir as ordens, brandiu a espada e fugiu. Porém, pouco depois, os agentes conseguiram detê-lo após atingi-lo com uma arma de choque.

    Agora Rivera será julgado por tentativa de homicídio, agressão com arma mortal e vandalismo, entre outras acusações.

    Mais:

    Homem morre de raiva nos EUA após ser aparentemente infectado por morcego e recusado tratamento
    Turquia exigirá aos EUA indenização por ser expulsa do programa de caças F-35
    EUA: tiroteio em escola no Texas deixa 1 pessoa ferida
    Tags:
    EUA, invasor, Exército, aeroporto, ninja, ataque, militares
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar