03:34 27 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 14
    Nos siga no

    Os ataques teriam impedido a chegada e o desembarque de carregamentos de alimentos que foram enviados ao país caribenho, que vive uma intensa crise econômica, social e política.

    O ataque de gangues armadas no Haiti impediu a chegada de navios que o México enviou com ajuda humanitária para Porto Príncipe. O país caribenho está mergulhado em uma grave crise que se aprofundou com o assassinato do presidente Jovenel Moïse, em julho, e o impacto de um forte terremoto, em agosto.

    "É uma situação muito difícil, muito triste, e estamos ajudando [...]. Há vários envios e estamos com problemas para desembarcar alimentos porque as gangues tomaram quase todo o Haiti", lamentou nesta quarta-feira (8) o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, durante coletiva.

    O presidente explicou que às vezes "há tiros" e que as autoridades mexicanas já foram obrigadas a ancorar os barcos "para esperar as condições" melhorarem. Obrador indicou ainda que uma das operações de descarregamento de alimentos teve de ser abruptamente suspensa devido aos distúrbios.

    "Não informamos isso [antes] porque o que queremos é cumprir a missão, isso ocorreu ao mesmo tempo que muitos haitianos estão chegando na fronteira sul [do México]", comentou.

    Homem joga saco de arroz para multidão durante distribuição de alimentos e água entre vítimas do terremoto em Les Cayes, Haiti
    © AFP 2021 / Reginald Louissaint Jr
    Homem joga saco de arroz para multidão durante distribuição de alimentos e água entre vítimas do terremoto em Les Cayes, Haiti

    Chegada de migrantes

    A questão do Haiti, para López Obrador, vai além das dificuldades de entrega de ajuda humanitária. Um dos aspectos mais complicados seria, para o presidente mexicano, a chegada de migrantes haitianos à fronteira sul do México, que desejam continuar sua passagem até os EUA para escapar da instabilidade política, econômica e social que Porto Príncipe sofre.

    Por isso, López Obrador anunciou que o chanceler mexicano, Marcelo Ebrard, tratará do assunto com a administração norte-americana nesta quinta-feira (9), durante visita a Washington. "É um assunto que Marcelo Ebrard vai tratar e vamos ajudar no que pudermos", disse López Obrador, após reiterar que em seu país "os direitos humanos não são violados".

    O presidente mexicano defendeu a necessidade de "pôr ordem" na fronteira porque, em sua opinião, se ela se abrir e os migrantes "passarem livremente para o norte", muitos riscos correm.

    "Não podemos garantir a vida deles, a segurança deles, é muito grave [...]. Temos essa situação que nos preocupa e com a qual estamos lidando, mas não é porque sejamos valentões ou funcionários do governo dos EUA", concluiu.

    Mais:

    Agência Antidrogas dos EUA confirma à Sputnik que suspeito preso no Haiti era seu informante
    Venezuela: empresa envolvida na morte do presidente do Haiti teria realizado atentado contra Maduro
    Pentágono: alguns ex-soldados colombianos detidos no Haiti receberam treinamento nos EUA
    Brasil enviará missão humanitária e remédios ao Haiti após terremoto que matou mais de 2 mil pessoas
    Tags:
    Haiti, Porto Príncipe, EUA, México, gangue, gangues, terremoto, terremoto, homicídio, presidente, Andrés Manuel López Obrador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar