23:50 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo lidando com COVID-19 em meados de agosto de 2021 (17)
    660
    Nos siga no

    Imunizante russo aprovado em maio no país sul-americano apresenta alta porcentagem de eficácia após sua aplicação durante campanha de vacinação em território paraguaio.

    Nesta quarta-feira (18), em comunicado, o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo) anunciou que a vacina contra a COVID-19 de dose única, Sputnik Light, demonstrou eficácia de 93,5% no Paraguai, após análise dos resultados da campanha de vacinação nacional.

    "O uso da vacina monocomponente Sputnik Light permite às autoridades paraguaias encurtar os períodos de vacinação da população e acelerar o alcance da imunidade de rebanho", disse o diretor do RFPI, Kirill Dmitriev.

    A primeira vez que o uso do imunizante russo foi aprovado no país foi em maio, após ensaios clínicos que renderam 79,4% de eficácia. Desde então, mais de 320 mil paraguaios já receberam o medicamento até 30 de julho.

    O texto também relata alto perfil de segurança da vacina, destacando que não houve efeitos colaterais graves, mortes, trombose venosa cerebral, miocardite ou pericardite, associados à vacina.

    Neste momento, o uso combinado da Sputnik Light com outra vacina está sendo analisado.

    Resultados preliminares de segurança já foram obtidos do primeiro estudo clínico do uso combinado da vacina russa com a AstraZeneca no Azerbaijão, que não mostra efeitos adversos graves. 

    Tema:
    Mundo lidando com COVID-19 em meados de agosto de 2021 (17)

    Mais:

    Fundo Russo de Investimentos Diretos propõe à Pfizer estudo conjunto com Sputnik Light para 3ª dose
    Fabricante da Sputnik Light revela eficácia da combinação da vacina russa com Pfizer contra Delta
    Ministério da Saúde da Rússia aprova estudo de recombinação das vacinas AstraZeneca e Sputnik Light
    Tags:
    Sputnik, vacina, novo coronavírus, COVID-19, Paraguai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar