20:13 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    252
    Nos siga no

    Até agora, Washington apenas conseguiu evacuar menos de 1% dos afegãos que ajudaram os EUA nas últimas duas décadas e que, atualmente, temem por suas vidas devido ao aumento da ameaça do Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países).

    Os EUA se comprometeram a retirar suas tropas do Afeganistão até o final de agosto, bem como em realocar milhares de cidadãos afegãos que apoiaram Washington e suas forças nas várias missões no país. Em 2 de agosto, o Departamento de Estado dos EUA anunciou seus planos para expandir o programa de realojamento de refugiados, de modo a conseguir admitir mais ajudantes afegãos.

    No decorrer da semana passada, pelo menos 700 afegãos foram transportados para os EUA, onde foram recebidos pelo presidente norte-americano Joe Biden. Este é, no entanto, um número pequeno em comparação com os 80 mil afegãos que se aplicaram para o visto de imigração especial (SIV, na sigla em inglês).

    Os EUA planejam continuar a realocar 700 afegãos por semana, pelo que vai levar mais de dois anos até que Washington consiga realocar cerca de 20 mil afegãos elegíveis e suas famílias, conta o canal de notícias NBC.

    Os motivos do atraso do processo de evacuação são os exames médicos adicionais que o Departamento de Segurança Interna dos EUA insistiu em aplicar aos afegãos que chegam ao solo norte-americano, segundo a mídia, citando dois funcionários do Departamento de Estado.

    Esses dois funcionários também apontam que as agências estatais e organizações não governamentais estavam mal preparadas para a chegada dos afegãos devido aos cortes no orçamento por conta do ex-presidente Donald Trump.

    O Afeganistão está experienciando um pico de violência, uma vez que os Talibã aumentaram o ritmo de suas ofensivas desde que as forças estrangeiras começaram a se retirar do país.

    Mais:

    Premiê paquistanês diz que EUA 'realmente estragaram tudo' no Afeganistão
    Livro explica por que bin Laden não pensava matar Biden para comemorar aniversário de 11 de setembro
    EUA enviam aviões B-52 para Afeganistão e bombardeiam posições do Talibã no norte do país
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar