00:23 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    163
    Nos siga no

    O presidente dos EUA, Joe Biden, pediu nesta terça-feira (3) ao governador de Nova York, Andrew Cuomo, que renunciasse depois que uma investigação independente descobriu que ele assediou sexualmente várias mulheres.

    Uma investigação de cinco meses concluiu nesta terça-feira (3) que o governador de Nova York, Andrew Cuomo, assediou sexualmente mulheres e violou leis federais e estaduais, criando um "ambiente de medo" no local de trabalho.

    A investigação independente, conduzida pelos advogados Joon H. Kim e Anne L. Clark, nomeados pela procuradora-geral de Nova York, a democrata Letitia James, começou em março após duas ex-assessoras acusarem Cuomo, que está no cargo desde 2011, de assediá-las e entrevistou 178 pessoas, e determinou que as ações de Cuomo em relação a 11 mulheres, muitas das quais funcionárias do governo estadual, violaram várias leis estaduais e federais.

    "O que essa investigação revelou foi um padrão de conduta perturbador do governador do grande estado de Nova York [...]. Essas 11 mulheres estavam em um ambiente de trabalho hostil e tóxico", afirmou Letitia James, citada pela agência Reuters.
    Governador de Nova York, Andrew Cuomo, anuncia relaxamento das exigências de uso de máscaras no estado, EUA, 17 de maio de 2021
    © REUTERS / Mike Segar
    Governador de Nova York, Andrew Cuomo, anuncia relaxamento das exigências de uso de máscaras no estado, EUA, 17 de maio de 2021

    Governador responde

    Logo após a publicação das descobertas dos investigadores independentes, o governador democrata alegou nunca ter tocado em ninguém de forma inadequada.

    "Quero que saibam diretamente por mim que nunca toquei em ninguém de forma inadequada ou fiz avanços sexuais inadequados [...]. Tenho 63 anos. Vivi toda a minha vida adulta em público. Isso não é quem eu sou e nunca fui", afirmou Cuomo em um discurso transmitido na televisão.

    O governador de Nova York também revelou que seu advogado "deu uma resposta a cada alegação e os fatos são muito diferentes do que foi retratado".

    A secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou: "Não sei se alguém poderia ter assistido esta manhã [às declarações de James] e não ter achado as alegações abomináveis. Eu sei que eu achei".

    Durante uma coletiva de imprensa, o presidente Joe Biden disse que achava que Cuomo deveria renunciar.

    Outros democratas pedem a renúncia

    A presidente da Câmara dos EUA, a democrata Nancy Pelosi, pediu ao governador de Nova York que renunciasse.

    "Reconhecendo seu amor por Nova York e o respeito pelo cargo que ocupa, peço ao governador que renuncie", disse Pelosi em comunicado.
    Andrew Cuomo em uma entrevista coletiva no Capitólio em Washington. Ao lado dele, a senadora Kirsten Gillibrand e o senador Charles Schumer
    © AP Photo / J. Scott Applewhite
    Andrew Cuomo em uma entrevista coletiva no Capitólio em Washington. Ao lado dele, a senadora Kirsten Gillibrand e o senador Charles Schumer

    O líder da maioria no Senado norte-americano, Chuck Schumer, e a senadora Kirsten Gillibrand, ambos democratas e representantes de Nova York, também divulgaram uma declaração pedindo a Cuomo para renunciar, acrescentando que o povo de Nova York merece uma liderança melhor e nenhum funcionário eleito está acima da lei.

    Mais:

    Ex-astro do futebol Ryan Giggs é acusado de assédio e agressão contra 2 mulheres
    Assédio sexual: MP-RJ processa colégio católico e pede afastamento de diretores por omissão; entenda
    Assédio sexual: 'Não quero que chegue aos jornais', diz diretora de escola do Rio em gravação (OUÇA)
    'Foi ato de assédio': Juan Guaidó denuncia tentativa de prisão em sua casa em Caracas
    Tags:
    Andrew Cuomo, Nova York, assédio, assédio sexual, investigação, investigações independentes, Joe Biden, Nancy Pelosi, Chuck Schumer
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar