05:59 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0315
    Nos siga no

    Os juízes do Tribunal Administrativo do Equador concordaram com os argumentos do Ministério das Relações Exteriores e declararam inválida a carta de naturalização emitida para Julian Assange em dezembro de 2017.

    A justiça do Equador retirou a cidadania do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, na semana passada e informou oficialmente a defesa do ativista na segunda-feira (27), disse à Sputnik seu advogado, Carlos Poveda.

    "Os juízes do Tribunal Administrativo concordaram com os argumentos do Ministério das Relações Exteriores e declararam inválida a carta de naturalização, emitida em nome de Julian Assange. Recebemos a notificação hoje [27]", afirmou Poveda.

    A ordem judicial está sujeita a recurso através da chamada petição horizontal para esclarecimento e também a um recurso especial em instância de cassação, com a presença do advogado de Assange na audiência.

    O fundador de WikiLeaks recebeu a carta de naturalização em dezembro de 2017, quando estava refugiado na embaixada deste país em Londres. Em 10 de abril de 2019, na véspera de sua entrega à polícia britânica, o Ministério das Relações Exteriores do Equador publicou um documento em que reconhece a carta emitida como "um ato administrativo prejudicial".

    O veredicto do Tribunal Administrativo sobre a retirada da cidadania de Assange foi baseado em um informe da Controladoria Geral do Estado do Equador, que declarou que houve irregularidades processuais e que Assange não cumpria os critérios para obter a nacionalidade.

    O advogado do ativista afirmou que as razões apresentadas são apenas especulação e que a Controladoria agiu com claros interesses políticos - a acusação não confirmou nenhuma das alegadas irregularidades e não forneceu nenhuma prova. Poveda também destacou ter havido irregularidades durante o julgamento que dificultaram a defesa de agir.

    "Desde a primeira audiência afirmamos que Julian não foi processado de acordo com a lei, os documentos deveriam ser traduzidos [...] Eu mesmo só fiquei sabendo do julgamento quando fui ao website do tribunal", destacou o advogado.

    Washington acusa Assange de espionagem contra os EUA ao publicar documentos confidenciais sobre o Iraque, Afeganistão, prisão de Guantánamo e outros. Se as acusações forem confirmadas, Julian Assange enfrenta até 175 anos de prisão nos EUA.

    Mais:

    Pegasus: Macron telefona pessoalmente para Bennett e pede investigação séria a Israel, diz mídia
    Chefe da NSO Group israelense nega uso de programa Pegasus para atividades de espionagem
    Ex-oficial da ONU: 'Se Assange fosse achado morto, suspeitaria de execução extrajudicial pela CIA'
    CEO do WhatsApp diz que governos de aliados dos EUA foram espionados pelo Pegasus ainda em 2019
    Ex-cônsul equatoriano teme que Assange nunca venha a celebrar seu aniversário em liberdade
    Tags:
    Equador, Julian Assange, nacionalidade, cidadania, tribunal, espionagem, naturalização
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar