17:01 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1713
    Nos siga no

    A Argentina decretou a incorporação da letra X nos Documentos Nacionais de Identidade (DNI) e nos passaportes, de modo a identificar oficialmente os cidadãos não-binários, isto é, cidadãos que não se identificam nem com o sexo feminino nem com o masculino.

    A partir do Museu do Bicentenário, os ministros das Mulheres, Géneros e Diversidade, e do Interior, Elizabeth Gómez Alcorta e Eduardo de Pedro, respectivamente, acompanharam o presidente argentino, Alberto Fernández, na apresentação do novo documento.

    "Se determina que as nomenclaturas a serem utilizadas nos DNI e nos passaportes comuns para os cidadãos argentinos, no campo referido a 'sexo', poderão ser 'F' — Femenino —, 'M' — Masculino —, ou 'X'", estipula o decreto-lei 476, publicado no Boletim Oficial esta quarta-feira (21).

    A letra X pode ser atribuída a pessoas cujas certidões de nascimento tenham sido retificadas no âmbito da Lei nº 26.743 sobre o direito à identidade de gênero das pessoas, sancionada e promulgada em maio de 2012.

    Um DNI com perspectiva de gênero é uma conquista histórica para a comunidade LGBT+ e mais um passo para que as leis e políticas públicas reconheçam a existência de outras identidades. Mais informações em @PresentesLGBT

    Da mesma forma, reconhece-se que os documentos "terão validade como documento de viagem para os fins previstos no Acordo sobre Documentos de Viagem dos Estados-Membros e Estados Associados do Mercosul", reporta Telesur.

    O novo documento determina que o direito à identidade "tem um vínculo direto e indissolúvel com o direito a não sofrer discriminação, o direito à saúde, à privacidade e à realização do próprio plano de vida".

    Por sua vez, o presidente argentino promulgou uma lei aprovada no Congresso há duas semanas que garante 1% dos cargos no setor público nacional para cidadãos travestis, transexuais e transgêneros.

    Deste modo, a Argentina se converte no primeiro país da América Latina a possibilitar a escolha de um terceiro gênero além dos gêneros tradicionalmente aceitos, juntando-se assim a outros países como o Canadá, Austrália e a Nova Zelândia.

    Mais:

    Analista: 10 anos após Fukushima, Japão é exemplo em eficiência energética e Brasil pode aprender
    Ex-presidente argentino Macri nega ter fornecido armas à Bolívia durante golpe de Estado de 2019
    'Não sei se vou ser candidato', diz Bolsonaro enquanto anuncia 'pequenas' reformas ministeriais
    Tags:
    direitos humanos, LGBTQ, travestis, transexuais, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar