05:58 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    117
    Nos siga no

    Casa Branca considera que falta clareza sobre o futuro da liderança política no Haiti. Presidente do país do Caribe foi assassinado em casa na quarta-feira (7).

    O presidente norte-americano Joe Biden afirmou nesta segunda-feira (12) que os EUA estão prontos para continuar a prestar assistência ao Haiti após o assassinato do presidente Jovenel Moïse.

    "Como um vizinho próximo e amigo do povo de Cuba e do Haiti, os EUA estão prontos para continuar a fornecer assistência, e terei mais para vocês à medida que avançamos", disse Biden a repórteres, citado pela agência AFP.

    Os EUA ainda não decidiram se enviarão tropas militares a Porto Príncipe depois de receber um pedido do Haiti para tal assistência. "Ainda está sob revisão", disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, nesta segunda-feira (12), acrescentando que a ideia não foi descartada.

    Presidente haitiano Jovenel Moïse (ao centro), caminha com a primeira-dama Martine Moïse (esquerda) e com o primeiro-ministro interino Claude Joseph (direita) durante cerimônia que marcou o 218º aniversário da criação da bandeira haitiana. Foto de arquivo
    © AP Photo / Joseph Odelyn
    Presidente haitiano Jovenel Moïse (ao centro), caminha com a primeira-dama Martine Moïse (esquerda) e com o primeiro-ministro interino Claude Joseph (direita) durante cerimônia que marcou o 218º aniversário da criação da bandeira haitiana. Foto de arquivo

    Líderes precisam se unir

    Autoridades norte-americanas enviadas ao Haiti pela administração Biden se reuniram com três políticos que reivindicam liderar o governo do Haiti, disse a Casa Branca na segunda-feira (12).

    Emily Horne, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, disse que a delegação se reuniu no domingo (11) com o primeiro-ministro interino Claude Joseph e o primeiro-ministro designado Ariel Henry, assim como o presidente do Senado, Joseph Lambert.

    Horne afirmou que os representantes dos EUA encorajaram um diálogo aberto e construtivo para chegar a um acordo que permita ao Haiti realizar eleições livres e justas.

    Repercutindo as declarações de Horne, Psaki disse que a liderança política do Haiti permanece incerta e que é vital para o país que os líderes locais se unam para traçar um caminho adiante.

    "O que ficou claro sobre a viagem [das autoridades norte-americanas] é que falta clareza sobre o futuro da liderança política", disse Psaki em entrevista coletiva, citada pela agência Reuters.

    Moïse foi morto a tiros na quarta-feira (7) em sua casa em Porto Príncipe pelo que as autoridades haitianas descrevem como um comando de assassinos formada por 26 colombianos e dois cidadãos dos EUA.

    Mais:

    Presidente do Haiti Jovenel Moïse é assassinado em sua casa, segundo primeiro-ministro
    Primeiro-ministro do Haiti declara estado de emergência após assassinato do presidente Jovenel Moïse
    República Dominicana apura possível entrada no país de assassinos do presidente do Haiti, diz mídia
    Colômbia comenta prisão de cidadãos implicados em morte do presidente do Haiti
    Tags:
    assassinato, homicídio, Joe Biden, Jovenel Moïse, assistência, tropas, tropas, EUA, Haiti
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar