17:12 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    26605
    Nos siga no

    Ministério das Relações Exteriores de Cuba diz que "mercenários" pagos pelos EUA fomentaram os protestos no país, e afirmou que se Washington quer ajudar Havana, deve cancelar sanções.

    O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, disse que os EUA incitaram a agitação antes dos protestos deste fim de semana com uma estratégia de mídia disfarçada de campanha de mídia social pedindo ajuda humanitária.

    "Ontem [11] em Cuba não houve levante social, ontem em Cuba houve desordem, distúrbios causados ​​por uma operação comunicacional que foi preparada há algum tempo e sobre a qual milhões foram dedicados", declarou Rodríguez.

    O ministro também afirmou que se o governo Biden quer ajudar Havana, deve cancelar as sanções impostas pelos EUA, e que por conta das sanções, Washington "não tem direito de se pronunciar sobre as manifestações no país".

    Cuba está sob sanções dos Estados Unidos desde 1962.

    O governo norte-americano negou envolvimento nos protestos e respondeu reiterando que as manifestações "são espontâneas e estimuladas pela dura realidade cubana", e não promovidos por outro país, segundo a secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki.

    O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, também se posicionou e disse que "é um erro grave do governo cubano dizer que os EUA estão envolvidos nos protestos".

    "Tudo indica que os protestos de ontem [11] são expressões espontâneas de pessoas que se cansaram da má gestão econômica e da repressão do governo cubano, e são protestos inspirados na dura realidade do cotidiano da população", afirmou Psaki.

    Hoje (12), o presidente dos EUA, Joe Biden, emitiu um comunicado para expressar solidariedade ao "povo cubano e seu clamor por liberdade", e advertiu as autoridades cubanas para não usarem a força contra os manifestantes.

    Apoiadores do governo reagem durante protestos contra e em apoio ao governo, em meio ao surto da doença coronavírus, em Havana, Cuba, 11 de julho de 2021
    © REUTERS / STRINGER
    Apoiadores do governo reagem durante protestos contra e em apoio ao governo, em meio ao surto da doença coronavírus, em Havana, Cuba, 11 de julho de 2021

    Milhares de cubanos saíram às ruas no domingo (11) para protestar contra a falta de alimentos e remédios enquanto o país passa por uma grave crise econômica agravada pela pandemia de COVID-19 e pelas sanções dos Estados Unidos.

    Os manifestantes reclamaram da falta de liberdade e da piora da situação socioeconômica. Muitos gritaram por "liberdade" e conclamaram o presidente Miguel Díaz-Canel a renunciar. Outros defenderam o atual governo e lembraram Fidel Castro, que governou o país de 1958 a 2008.

    A União Europeia (UE), através do chefe da diplomacia do bloco, Josep Borrell, disse nesta segunda-feira (12) que os cubanos têm o direito de protestar, e pediu ao governo que ouvisse suas queixas sobre a COVID-19 e a escassez de medicamentos e alimentos.

    "É um protesto para mostrar o descontentamento em uma escala que não víamos desde 1994. [...] Quero afirmar o direito do povo cubano de expressar suas opiniões de maneira pacífica e quero pedir ao governo que ouça esses protestos de descontentamento", disse Borrell em uma entrevista coletiva após uma reunião de ministros das Relações Exteriores da UE.

    Mais:

    Presidente de Cuba declara que alguns dos manifestantes no país são financiados pelos Estados Unidos
    Primeira da América Latina: Cuba autoriza uso emergencial para vacina local contra COVID-19
    Bolsonaro critica Cuba e diz que na Venezuela 'não há mais cães e gatos, comeram tudo'
    Tags:
    Cuba, EUA, protestos, manifestação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar