18:09 28 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo enfrentando SARS-CoV-2 no final de junho de 2021 (20)
    184
    Nos siga no

    As primeiras amostras do coronavírus descobertas na cidade chinesa de Wuhan foram removidas da base de dados científicos dos EUA por solicitação de pesquisador chinês, informou o The Wall Street Journal, citando instituição norte-americana.

    Os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH, na sigla em inglês) confirmaram que eliminaram as sequências de DNA das primeiras amostras de COVID-19 por solicitação de um cientista chinês que as havia fornecido três meses antes, segundo os NIH.

    A solicitação para remoção por parte do pesquisador foi recebida em junho de 2020. Ele pediu para eliminar os dados porque foram atualizados e deveriam ser publicados em outra base de dados não especificada. O pesquisador disse ainda que gostaria que a versão mais antiga fosse removida para evitar confusão, de acordo com a mídia.

    "Os cientistas que fornecem informações têm o direito sobre seus dados e podem exigir eliminá-los", de acordo com os NIH.

    Anteriormente, o virologista Jesse Bloom, do Centro de Pesquisa de Câncer Fred Hutchinson, nos EUA, informou em um artigo sobre a eliminação destes dados da base norte-americana. Segundo Bloom, foram removidas sequências de DNA de amostras coletadas em Wuhan em janeiro e fevereiro de 2020 de pessoas internadas com COVID-19 ou com suspeita do vírus.

    Algumas das informações removidas ainda estão disponíveis no artigo publicado, mas normalmente os cientistas procuram as sequências de DNA nas bases de dados principais, como as dos NIH. O virologista acrescentou que é possível encontrar os dados eliminados na Internet.

    É pouco provável que estes dados mudem a opinião de cientistas sobre as primeiras semanas da pandemia em Wuhan, de acordo com a mídia. Mas Bloom acredita que a eliminação destas informações põe em causa a transparência da China na investigação contínua sobre a origem do vírus.

    Tema:
    Mundo enfrentando SARS-CoV-2 no final de junho de 2021 (20)

    Mais:

    Cientistas do Chipre encontram novo 'superpropagador' do coronavírus
    Documento indica que Brasil alterou lei para compra da Pfizer e Janssen, mas depois voltou atrás
    Fábrica russa eliminará deficiências na produção da Sputnik V de acordo com recomendações da OMS
    Sputnik V confirma eficácia de quase 100% contra mutações do coronavírus, afirma Centro Gamaleya
    Tags:
    EUA, China, novo coronavírus, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar