14:21 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3291
    Nos siga no

    Edward Snowden comentou morte de John McAfee, que supostamente cometeu suicídio após sua extradição para os EUA ter sido aprovada por tribunal espanhol, e apontou Julian Assange, cofundador do WikiLeaks, como próximo em risco.

    O denunciante americano Edward Snowden fez comentários sobre a morte do desenvolvedor de software antivírus americano McAfee, John McAfee, que teria cometido suicídio depois que sua extradição para os EUA foi aprovada por um tribunal espanhol, e apontou Julian Assange como a "próxima vítima" em um post no Twitter.

    A Europa não deveria extraditar os acusados de crimes não violentos para um sistema judicial tão injusto - e um sistema penitenciário tão cruel - que réus nativos preferem morrer a ficar sujeitos a ele. Julian Assange pode ser o próximo. Até que o sistema seja reformado, uma moratória deve permanecer.

    O jornal El País noticiou que McAfee, de 75 anos, foi encontrado morto na quarta-feira (23), em sua cela de prisão em Barcelona, na Espanha. Evidências apontam para um provável suicídio. Os médicos tentaram ressuscitá-lo, mas sem sucesso. A morte de McAfee ocorreu depois que o Tribunal Nacional da Espanha aprovou sua extradição para os EUA, onde foi acusado de sonegação de impostos.

    Edward Snowden em videoconferência de Moscou
    © AP Photo / Marco Garcia
    Edward Snowden em videoconferência de Moscou
    McAfee foi colocado na lista de procurados da Interpol e foi detido em um aeroporto de Barcelona quando seguia para Istambul no início de outubro de 2020. De acordo com as acusações feitas contra ele nos EUA, a empresa McAfee ganhou milhões de dólares promovendo criptomoedas, consultoria, palestras e depois de vender os direitos para criar um documentário biográfico sobre ele, sem declarar impostos.

    Em meados de junho, a McAfee testemunhou no Tribunal Nacional da Espanha. Durante as audiências, ele negou todas as acusações contra ele nos EUA, alegando que eram de natureza política.

    O cofundador do WikiLeaks, Julian Assange, foi preso em Londres em 11 de abril de 2019 e condenado a 50 semanas de prisão por ter se refugiado na embaixada equatoriana na capital do Reino Unido em 2012 para evitar a extradição para a Suécia, onde estava enfrentando acusações de agressão sexual que mais tarde foram retiradas pelo tribunal sueco.

    Manifestantes em ato pró-Assange, contra sua extradição do Reino Unido aos Estados Unidos
    © Sputnik / Justin Griffiths-Williams
    Manifestantes em ato pró-Assange, contra sua extradição do Reino Unido aos Estados Unidos

    Assange é procurado pelo Departamento de Justiça dos EUA por espionagem e acusações de fraude de computador depois que o WikiLeaks publicou milhares de arquivos secretos e informações confidenciais que apontam para crimes de guerra cometidos por tropas americanas no Iraque e no Afeganistão. Ele pode pegar até 175 anos em confinamento solitário dentro de uma prisão americana de segurança máxima se for condenado nos EUA.

    Em janeiro, a juíza distrital do Reino Unido Vanessa Baraitser decidiu não extraditar Assange, citando razões de saúde e o risco de suicídio no sistema prisional norte-americano, mas decidiu que ele deve esperar na prisão pelo resultado de um recurso feito por promotores dos EUA.

    Mais:

    Rafael Correa quer impeachment de Lenín Moreno por 'traição' no caso Assange
    Prisão de Assange abala discurso de liberdade de imprensa do Reino Unido, diz chefe do WikiLeaks
    Snowden critica EUA por querer 175 anos de prisão a Assange e se gabar da 'liberdade de imprensa'
    Tags:
    EUA, sistema prisional, Espanha, WikiLeaks, John McAfee, Julian Assange
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar