01:03 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    16340
    Nos siga no

    Em uma entrevista ao portal Axios, o secretário de Estado dos EUA Antony Blinken disse que Joe Biden se reuniria com seu homólogo russo Vladimir Putin em 16 de junho "não apesar das" últimas alegações dos EUA sobre supostos ciberataques russos, mas "por causa delas".

    Washington "preferiria um relacionamento mais estável" com Moscou, mas deixou claro que "se a Rússia optar por agir de forma agressiva e imprudente conosco, ou com nossos aliados ou parceiros, nós responderemos", frisou o chefe da diplomacia dos EUA.

    Blinken ressaltou que presidente americano Joe Biden vai dizer ao líder russo Vladimir Putin "direta e claramente o que ele pode esperar dos Estados Unidos se as ações agressivas e imprudentes contra nós continuarem".

    Os comentários do secretário americano surgem em meio às recentes alegações das autoridades e dos meios de comunicação dos EUA sobre o possível envolvimento russo em ataques cibernéticos contra a empresa de energia dos EUA Colonial Pipeline, um dos maiores fornecedores de combustível dos EUA, e a filial norte-americana da gigante brasileira da indústria de carnes JBS.

    Autoridades afirmam que hackers baseados na Rússia são "provavelmente" responsáveis por uma série de ataques cibernéticos contra empresas privadas.

    Porém, os EUA não forneceram quaisquer provas substanciais para fundamentar suas suposições sobre alegados hackers relativamente aos referidos ataques cibernéticos. Mesmo assim, Washington continua usando esses incidentes para impor sanções contra Moscou.

    O então premiê da Rússia, Vladimir Putin, e o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, se encontram em Moscou (foto de arquivo)
    © Sputnik / Aleksei Druzhinin
    O então premiê da Rússia, Vladimir Putin, e o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, se encontram em Moscou (foto de arquivo)

    Rússia negou qualquer envolvimento em quaisquer atividades cibercriminosas e propôs melhorar a cooperação em segurança cibernética com os EUA, sendo suas propostas repetidamente rejeitadas pelo lado norte-americano.

    Na mesma entrevista, Blinken também atacou a China por supostamente tentar "preencher vazios onde nós [EUA] fomos relativamente inativos" e prometeu "responsabilizar Pequim" pelo coronavírus – um tema que tem sido muito debatido pelas autoridades e mídia dos EUA.

    Recentemente, o presidente russo Vladimir Putin afirmou que os EUA estão enfrentando os problemas típicos dos impérios: confiantes em seu poder, eles geram problemas que já não são capazes de resolver, tal como aconteceu com a União Soviética.

    Mais:

    Sempre encontram motivos para tentar conter fortalecimento e desenvolvimento da Rússia, diz Putin
    Blinken diz a Lavrov que EUA responderão se Rússia 'agir de forma agressiva'
    Peskov: forças estratégicas da Rússia são as mais modernas do mundo, sendo garantia de estabilidade
    Tags:
    China, ataques cibernéticos, Vladimir Putin, Joe Biden, Antony Blinken, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar