01:14 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de junho de 2021 (22)
    0 65
    Nos siga no

    Milhares de e-mails privados do principal conselheiro médico do presidente dos EUA revelam que, aparentemente, Anthony Fauci não estava preocupado com o SARS-CoV-2 no início da pandemia.

    O médico infectologista Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA e principal conselheiro médico do presidente norte-americano, afirmou que as revelações recentes sugerindo que ele foi avisado no início da pandemia do novo coronavírus para as "características incomuns" do SARS-CoV-2 e que o vírus poderia ter sido "desenvolvido" foram "retiradas do contexto".

    "O único problema é que eles estão realmente prontos para serem tirados do contexto, onde alguém pode cortar uma frase em um e-mail sem mostrar os outros e-mails e dizer 'com base em um e-mail do doutor Fauci, ele disse isso e aquilo' onde você realmente não tem o contexto completo", afirmou médico infectologista em entrevista à emissora NewsNation.

    As justificativas de Fauci ocorrem após a divulgação de mais de 3.200 páginas de e-mails obtidas pelo jornal The Washington Post e pelo portal Buzzfeed News que datam de janeiro a junho de 2020.

    Anthony Fauci
    © AP Photo / Alex Brandon
    Anthony Fauci

    Vírus criado em laboratório?

    As mensagens mostram como Fauci lidou com o fluxo massivo de informações quando a pandemia de COVID-19 começou a devastar os EUA. Em particular, os e-mails revelam que o médico conversou com um ex-conselheiro de saúde do governo Obama (2009-2017), discutiu tratamento antiviral e entrou em contato com o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, quando este anunciou a criação de um "centro de informações" sobre o novo coronavírus e perguntou se a plataforma pode ajudar a acelerar os protocolos de teste.

    Entre os e-mails também havia alertas dos principais especialistas em vírus afirmando que a COVID-19 pode ter sido criada em laboratório.

    Fauci minimizou essas afirmações em público, mas, recentemente, o principal conselheiro médico do presidente dos EUA afirmou que "não estava convencido" de que o vírus havia evoluído naturalmente.

    Especialistas da OMS chegam ao aeroporto de Wuhan, na província de Hubei, China, em 14 de janeiro de 2021. Equipe foi formada para investigar possíveis origens do novo coronavírus, identificado primeiramente nessa região.
    © AP Photo / Ng Han Guan
    Especialistas da OMS chegam ao aeroporto de Wuhan, na província de Hubei, China, em 14 de janeiro de 2021. Equipe foi formada para investigar possíveis origens do novo coronavírus, identificado primeiramente nessa região
    "Acho que devemos continuar investigando o que aconteceu na China até que continuemos a descobrir da melhor maneira possível o que aconteceu", disse Fauci na semana passada.

    No início de maio, Biden ordenou que membros da comunidade de inteligência dos EUA produzissem um relatório em 90 dias para encerrar o debate sobre se o SARS-CoV-2 se espalhou para humanos a partir de animais de forma natural ou se vazou de um laboratório na China, e prometeu divulgar o relatório na íntegra.

    Em março, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou o relatório de um grupo internacional de especialistas enviado pela entidade à cidade chinesa de Wuhan para investigar a origem do vírus. O documento afirma que é muito improvável que o SARS-CoV-2 tenha vazado de um laboratório.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de junho de 2021 (22)

    Mais:

    Índia refuta versão de SARS-CoV-2 criado em laboratório da China e quer investigar 'fonte zoonótica'
    Facebook diz que não vai mais apagar posts sobre teorias de que SARS-CoV-2 foi 'criado pelo homem'
    SARS-CoV-2 penetra e se incorpora ao genoma humano? Cientistas respondem
    Seria 'quase impossível' rastrear origem do SARS-CoV-2, diz especialista da Bélgica à Sputnik
    Tags:
    e-mails, China, EUA, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar