02:38 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de junho de 2021 (22)
    2280
    Nos siga no

    Quase 9,9 milhões de pessoas foram vacinadas com a primeira dose na Argentina, enquanto mais de 2,8 milhões de habitantes do país sul-americano foram imunizados com as duas doses.

    O Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya confirmou a qualidade das vacinas Sputnik V contra a COVID-19 produzidas pelo laboratório privado argentino Richmond. Com isso, o país sul-americano poderá importar os antígenos para iniciar a fabricação em massa do inoculante, anunciou a ministra da Saúde da Argentina, Carla Vizzotti.

    "Ontem [1º de junho] fomos informados que esse controle de qualidade foi satisfatório e vamos avançar com firmeza na importação dos antígenos componentes 1 e 2 para que a Argentina faça parte da cadeia produtiva da vacina Sputnik", afirmou Vizzoti durante coletiva nesta quarta-feira (2), citada pelo jornal La Nación.

    Dessa forma, a Argentina será o primeiro país da América Latina a produzir em massa a vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Centro Gamaleya. Este avanço vai permitir assim "acelerar os planos de vacinação", afirmou a ministra.

    Tubos de ensaio são vistos à frente de um logotipo do Sputnik V, em foto de 21 de maio de 2021
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Tubos de ensaio são vistos à frente de um logotipo do Sputnik V, em foto de 21 de maio de 2021
    Vizzotti informou ainda que esta semana chegarão ao país os componentes 1 e 2 da Sputnik V. "Amanhã [3 de junho] chega ao país um voo, que partiu hoje [quarta-feira], com 800 mil doses da vacina Sputnik e temos um segundo voo […] que trará mais 100 mil doses do componente 1 e 400 mil do componente 2, que chegará esta semana", afirmou a ministra.

    Em toda a Argentina, quase 9,9 milhões de pessoas foram vacinadas com a primeira dose, enquanto mais de 2,8 milhões de habitantes foram imunizados com as duas doses, segundo dados locais.

    Sputnik V no mundo

    A vacina russa Sputnik V tem gerado "demanda frenética em todo o mundo", afirmou Kirill Dmitriev, diretor-geral do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo).

    A Sputnik V usa uma tecnologia de adenovírus humano de dois vetores diferentes e que são administrados em duas injeções com 21 dias de intervalo.

    Até agora, o inoculante russo foi licenciado em 66 países. A Sputnik V tem uma eficácia de 97,6%, conforme relatado em 19 de abril pelo RFPI após analisar os dados de 3,8 milhões de cidadãos russos vacinados.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de junho de 2021 (22)

    Mais:

    COVID-19 poderia ter ondas mais graves tal como gripe espanhola de 1918, diz estudo
    Morre na Índia paciente com COVID-19 e infecções do fungo preto, branco e amarelo
    'Campeonato da morte': senadores da CPI da Covid reagem sobre realização da Copa América no Brasil
    COVID-19: 121 mil brasileiros podem ser vacinados em Portugal em junho; veja reações de quem já foi
    Tags:
    pandemia, COVID-19, novo coronavírus, Sputnik V, vacinação, vacina, vacina, Rússia, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar