00:21 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    408
    Nos siga no

    O Departamento de Estado dos EUA quer fornecer 8 mil vistos especiais para afegãos que apoiaram o Exército norte-americano durante a guerra.

    O Departamento de Estado dos EUA pedirá ao Congresso que aumente o número de vistos especiais de imigrantes de 4.000 para 8.000 para aqueles que apoiaram o esforço de guerra de Washington no Afeganistão, disse o secretário adjunto de Administração e Recursos Brian McKeon nesta sexta-feira (28).

    "O Congresso concede autorização para um certo número de vistos a cada ano. Normalmente, nos últimos anos, eles fornecem 4.000 vagas. Nós estamos pedindo 8.000 este ano", disse McKeon a repórteres.

    Vale lembrar que, no início desta semana, os EUA anunciaram que a retirada de suas forças do Afeganistão, oficializada no 1º de maio de 2021, já estava completa em 20%.

    Joe Biden anunciou sua intenção de terminar a campanha de 20 anos dos EUA no Afeganistão, jurando retirar a totalidade das forças americanas de solo afegão até 9 de setembro deste ano.

    Duas décadas de operações militares dos EUA no Afeganistão marcaram os povos afegão e norte-americano, bem como toda a comunidade internacional.

    O conflito resultou na morte de mais de 2.300 soldados norte-americanos, e na morte e ferimentos de centenas de milhares de afegãos.

    Soldados norte-americanos e afegãos andam abaixo dos helicópteros da OTAN
    © AFP 2021 / WAKIL KOHSAR
    Soldados norte-americanos e afegãos andam abaixo dos helicópteros da OTAN

    Mais:

    VÍDEO mostra canoa indígena gigante de mil anos encontrada em fundo de lago na Flórida, nos EUA
    China é instada a aumentar seu arsenal militar para conter ameaça marítima dos EUA, diz mídia
    EUA proíbem produtos de empresa de pesca chinesa devido a alegado uso de trabalho forçado
    Tags:
    Departamento de Estado, EUA, Exército do Afeganistão, Guerra no Afeganistão, guerra do afeganistão, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar