21:19 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 142
    Nos siga no

    O diálogo político na Venezuela, proposto pela oposição de Juan Guaidó e aceito pelo presidente Nicolás Maduro, deu a ilusão de uma trégua nos intensos conflitos no país, mas parece que tudo é mais complicado.

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, colocou três requisitos para se sentar e dialogar com a oposição: a suspensão imediata de todas as sanções e medidas coercivas unilaterais impostas pelos EUA e pela União Europeia contra seu governo (e endossadas pela oposição), o pleno reconhecimento internacional da Assembleia Nacional (parlamento unicameral, com maioria oficial) e a devolução do património e das contas bancárias congeladas às instituições do Estado.

    Entre esses ativos, o presidente pediu a devolução das empresas Citgo, subsidiária da estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA), que agora está sob o controle de Washington, e da petroquímica Monómeros, da Colômbia, administradas por Conselhos de gerência ad hoc indicados pelo ex-deputado.

    Por sua vez, Guaidó exigiu a convocação de eleições presidenciais, embora, segundo as leis do país, neste ano só devam decorrer eleições regionais e municipais. Além disso, ele pediu a entrada em massa de ajuda humanitária e de vacinas contra COVID-19, bem como a libertação de todos os "prisioneiros políticos".

    Apesar das altas demandas, Maduro reiterou seu apoio à ideia de uma grande mesa de diálogo nacional, e o ex-deputado pediu para deixar de lado os interesses pessoais e realizar o que chama de "plano de salvação nacional".

    O apoio a Guaidó diminuiu

    Em 2019, quando Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela, recebeu o apoio de mais de 50 países. No entanto, o deputado e membro da Comissão Especial de Diálogo, Reconciliação e Paz da Assembleia Nacional, Javier Bertucci, disse que, nos últimos dois anos, o cenário mudou e que o apoio a Guaidó diminuiu.

    O líder da oposição venezuelana Juan Guaidó remove sua máscara ao chegar a uma entrevista coletiva em Caracas, Venezuela, em 3 de março de 2021
    O líder da oposição venezuelana Juan Guaidó remove sua máscara ao chegar a uma entrevista coletiva em Caracas, Venezuela, em 3 de março de 2021

    "Só os Estados Unidos é que têm a capacidade de devolver esses bens à Venezuela como país, Guaidó não tem possibilidade de oferecer a devolução da Citgo ou um desbloqueio do ouro da Alemanha ou qualquer outro ativo que os EUA tenham sob sanção", disse o parlamentar à Sputnik Mundo.

    Para Bertucci, presidente do partido de oposição El Cambio e pastor evangélico, a mesa de diálogo entre Guaidó e Maduro não vai acontecer, dadas as altas demandas que ambos levantaram.

    "A mesa que Guaidó pede não será montada enquanto houver esses pedidos prévios de Maduro, onde ele exige o levantamento das sanções, a devolução de todos os bens do país, já se sabe que não haverá diálogo nem eleições presidenciais nessas condições", comentou.

    Já o deputado Julio Chávez, do Partido Socialista Unido (governista), concordou que Guaidó não tem o poder de devolver os bens que foram roubados à nação sul-americana.

    "Guaidó é um fantoche […] Ele não tem poder de decisão, tem sido usado. Este triste personagem da política venezuelana está mais perto do caixote do lixo da história do que de se sentar à mesa de diálogo com o presidente da República", criticou.

    Perdas para a Venezuela

    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro segura cópia da Constituição venezuelana durante depoimento para emissora estadual, 28 de março de 2021
    © REUTERS / Miraflores Palace
    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro segura cópia da Constituição venezuelana durante depoimento para emissora estadual, 28 de março de 2021

    Após a autoproclamação de Guaidó em 2019, Washington impôs sanções à PDVSA, que incluíram o bloqueio de fundos da Citgo. O governo venezuelano acusou o ex-deputado de ser o responsável pelas perdas milionárias, que ultrapassam US$ 300 milhões (mais de R$ 1,5 bilhão).

    Entretanto, resta saber se a grande mesa de diálogo nacional se materializará e se Maduro e Guaidó cederão às exigências feitas para alcançar uma negociação, para a qual abriram as portas à UE e à Noruega na qualidade de mediadores.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Com hiperinflação, Venezuela anuncia que vai 'petrolizar' pagamentos de benefícios sociais
    Venezuela: 8 soldados foram capturados por grupos irregulares colombianos
    Após 1º voo Moscou-Caracas, Venezuela espera 'fortes laços' com a Rússia, diz ministro
    Tags:
    confrontos, políticos, política, diálogo, Venezuela, Nicolás Maduro, Juan Guaidó
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar